Projeto TransforMAR está de regresso aos areais. Se for à praia, já tem onde deixar o plástico

Projeto TransforMAR vai marcar presença em 15 praias durante julho e agosto. Objetivo é que todos deixem o plástico e o metal num deposito próprio que será convertido em donativos para 15 IPSS locais.

Todos os anos são deixadas nas praias portuguesas milhares de toneladas de plástico. Para contrariar esta tendência e deixar as praias mais limpas, o Lidl lançou mais uma edição do projeto TransforMAR que vai estar presente em 15 praias, de norte a sul do país, durante os meses de julho e agosto. O plástico recolhido será convertido em donativos monetários para 15 IPSS locais. Além do regresso neste verão, o TransforMAR passa agora a ter a duração de um ano.

“A terceira edição do TransforMAR reforça o nosso compromisso em prol da redução do plástico e não só garante as praias mais limpas, como promove comportamentos responsáveis. Este ano através da parceria com a Brigada do Mar conseguimos alargar a nossa intervenção. Simultaneamente, é-nos possível reforçar o apoio às comunidades locais, através da valorização do plástico recolhido, que é devolvido à população através de donativos monetários a 15 IPSS locais, nos concelhos das praias envolvidas no projeto”, explica Vanessa Romeu, diretora de comunicação corporativa do Lidl Portugal, citada em comunicado.

No decorrer destes dois meses de verão, cada uma destas 15 praias terá um depósito próprio, que promove a recolha de materiais como o plásticos e o metal. As praias que adeririam a esta iniciativa são: Praia de Santo Amaro (Oeiras), Praia da Tocha (Cantanhede), Praia da Vagueira (Vagos), Praia da Frente Azul (Espinho), Praia da Aguda (Vila Nova de Gaia), Praia de Matosinhos (Matosinhos), Praia da Foz do Lizandro (Mafra), Praia do Centro (Torres Vedras), Praia da Gambôa (Peniche), Praia do Hospital (Figueira da Foz), Praia Vasco da Gama (Sines), Praia de Armação de Pera (Silves), Praia de Quarteira (Loulé), Praia de Faro (Faro), sendo que a praia em Cascais ainda não confirmou.

“O resultado destas ações de forma continuada e consistente, onde habitualmente recolhemos cerca de 2 toneladas por dia, irá ter um impacto extremamente positivo na biodiversidade e no complexo dunar da costa portuguesa, ver para crer”, destaca Simão Acciaioli, presidente da Brigada do Mar.

Este projeto, que surge de uma iniciativa pioneira do Lidl Portugal e Electrão, conta com as parcerias da Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE), Quercus, Associação Zero, Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e, pelo segundo ano consecutivo, com o apoio institucional do Ministério do Ambiente e da Ação Climática – que destaca o TransforMAR como um projeto alinhado com os objetivos e prioridades do Ministério em matéria do uso sustentável do plástico.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Projeto TransforMAR está de regresso aos areais. Se for à praia, já tem onde deixar o plástico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião