Hoje nas notícias: BES, RNE e escolas

  • ECO
  • 16 Julho 2020

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

O Banco Espírito Santo (BES) terá usado a Zona Franca da Madeira para angariar clientes na América do Sul e em África. A Direção-Geral de Saúde já enviou as recomendações para o próximo ano letivo às escolas, sendo que é permitido que dois estudantes partilhem a mesma carteira. Ainda no plano da pandemia, Ricardo Baptista Leite, deputado do PSD, teme que Portugal esteja apenas no “início do tsunami” e acusa as autoridades de saúde e o Governo de não divulgarem informação.

BES usou Zona Franca da Madeira para angariar clientes na Venezuela e Angola

De acordo com a acusação do Ministério Público, Ricardo Salgado usou a Zona Franca da Madeira, através da Sucursal Financeira Exterior (SFE), como uma placa giratória do BES para angariar clientes da América do Sul e África, nomeadamente da Venezuela e Angola, como é o caso da PDVSA (petrolífera venezuelana) e de outras empresas venezuelanas que chegaram a ter sete mil milhões de dólares depositados no BES, os quais eram reinvestidos no GES, segundo o Público. Ou seja, serviu de almofada de liquidez para financiar o Grupo Espírito Santo. Leia a notícia completa no Público (acesso pago).

Orientações da DGS para as escolas permitem dois alunos por carteira

De acordo com as recomendações da Direção-Geral da Saúde (DGS) enviadas às escolas para o próximo ano letivo é permitido que dois alunos partilhem a mesma carteira. Além disso, é recomendado “sempre que possível” um distanciamento físico de um metro entre os estudantes. “Garantir um metro entre os alunos é uma improbabilidade, tendo em conta a forma como as turmas foram construídas e o tamanho das salas de aulas”, diz a Manuel Pereira, da Associação dos Diretores de Escolas (ANDE). Leia a notícia completa no Público (acesso pago).

Ricardo Baptista Leite teme que Portugal esteja apenas no “início do tsunami” da pandemia

O deputado do PSD responsável pela área da saúde está em relação à futura evolução da pandemia em Portugal. “Sinto que estamos apenas no início de um tsunami”, diz Ricardo Baptista Leite, em entrevista à Rádio Renascença, acusando a Direção-Geral de Saúde (DGS) e o Governo de não divulgarem a informação — o que considera ser a maior arma atualmente contra o vírus — sobre a evolução da pandemia. O também médio defende que as Forças Armadas participem na saúde pública e que as multas devidas por passageiros sem teste sejam entregues ao Serviço Nacional de Saúde (SNS) e não à ANA. Leia a notícia completa na Rádio Renascença (acesso livre).

Antigos combatentes ganham mais 7% da reforma

Os antigos combatentes vão passar a ter um complemento especial de reforma de 7% por cada ano de serviço, vão poder utilizar os transportes públicos gratuitamente e foi ainda aprovado um plano de apoio para estes profissionais em situação de sem-abrigo. Estas foram algumas das medidas aprovadas esta quarta-feira no comissão parlamentar da Defesa Nacional relativas ao Estatuto dos Antigos Combatentes. Este diploma, que ainda terá que ser aprovado na Assembleia da República, deverá beneficiar cerca de 200 mil pessoas, de acordo com fontes militares. Leia a notícia completa no Correio da Manhã (link indisponível).

Rede Expressos pede fim da lotação de 2/3

A Rede Nacional de Expressos (RNE) pede ao Governo que ponha fim à limitação de dois terços da lotação dos transportes públicos, justificando que a medida cria dificuldades financeiras às empresas, bem como problemas ao turismo da Península Ibérica. O diretor-geral da RNE, Carlos Oliveira, sublinha que “a aviação viaja com 100% e já hoje temos lugares em que pessoas viajam ao lado de outras”, acrescentando que “não há razão nenhuma para se manter esta política nos transportes”, recordando que nem em França nem Espanha esta medida está já em vigor. Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: BES, RNE e escolas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião