Número de desempregados inscritos no IEFP desceu pela primeira vez desde o início da pandemia

Em junho, face ao período homólogo, registou-se um aumento de 36,4% do número de desempregados inscritos no IEFP. Ainda assim, verificou-se um recuo em comparação com maio deste ano.

O número de desempregados inscritos no Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) desceu, pela primeira vez, desde o início da pandemia de coronavírus. Em junho, face a maio, registou-se um recuo de 0,6%, de acordo com os dados divulgados, esta segunda-feira. Ainda assim, em comparação com o mesmo mês de 2019, verificou-se um salto de 36,4% do número de inscritos nos centros de emprego, que ascendem a 406 mil.

“No fim do mês de junho de 2020, estavam registados nos Serviços de Emprego do Continente e Regiões Autónomas, 406.665 indivíduos desempregados. O total de desempregados registados no país foi superior ao mesmo mês de 2019 (+108.474; +36,4%) e inferior face ao mês anterior (-2.269; -0,6%)“, explica o IEFP, na nota divulgada esta manhã. Na variação em cadeia, o recuo referido é o primeiro desde o início da pandemia.

A nível regional, a maioria das regiões viu o número de desempregados cair, face a maio, com exceção de Lisboa e Vale do Tejo (com um aumento de 1,6%) e da Madeira (com uma subida de 3,5%).

Já na comparação homóloga, foi o Algarve a destacar-se, com um agravamento do número de desempregados de 231,8%. O setor do turismo e da restauração tem sido um dos mais afetados pela crise pandémica, daí que esta região esteja a registar um aumento mais significativo do número de inscritos no IEFP. Isto apesar de junho ser, tradicionalmente, um mês de melhoria do emprego, neste setor.

Apesar do forte agravamento registado no Algarve, do total dos cerca de 406 mil desempregados inscritos no IEFP, apenas 6,4% são dessa região. O Norte (com 37,8%) é a região mais afetada. Tem atualmente 153.548 desempregados inscritos nos centros de emprego.

Em contraste, nos Açores, o número de inscritos nos serviços de emprego desceu 1,7% face a junho de 2019.

Na nota divulgada esta segunda-feira, salienta-se também que o desemprego aumentou nos três setores de atividade em termos homólogos, mas o setor dos serviços destacou-se com um salto de 47,2%. E na área do alojamento, restauração e similares o aumento registou-se uma subida de 94,4%, seguindo-se os transportes e armazenagem (com um salto de 70,4%) e a área das atividades imobiliárias, administrativas e os serviços de de apoio (com um aumento de 57,7%).

O Ministério do Trabalho sublinha, por outro lado, que o número de colocações foi superior em junho deste ano face a junho de 2019 (7.709 contra 7.517). Já as ofertas de emprego captadas em junho 2020 estão “muito perto das ofertas” captadas há um ano, frisa o gabinete de Ana Mendes Godinho. Em junho deste ano, os serviços de emprego registaram 10.328 ofertas, mais 3.357 do que em maio e menos 456 do que em junho de 2019.

(Notícia atualizada às 11h34)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Número de desempregados inscritos no IEFP desceu pela primeira vez desde o início da pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião