Certificados crescem na pandemia. Aplicações engordam 130 milhões em junho

Nunca os portugueses confiaram tanto no Estado para proteger as suas poupanças como durante a pandemia de Covid-19. Em junho, famílias reforçaram as aplicações em Certificados de Aforro e do Tesouro.

Em plena crise provocada pela pandemia, as famílias portuguesas estão a reforçar as aplicações nos produtos poupança do Estado. Em junho, o valor do investimento em certificados “engordou” 129 milhões de euros.

Tanto os Certificados de Aforro como os Certificados do Tesouro registaram aumentos no mês passado, de acordo com os dados divulgados esta terça-feira pelo Banco de Portugal. As aplicações nos Certificados do Tesouro — que, como se prevê, correm o risco de deixar de pagar o prémio ligado à economia daqui a uns meses devido à crise — aumentaram em 109 milhões de euros, enquanto o valor investido nos tradicionais Certificados de Aforro subiu 20 milhões.

No total, o investimento nos certificados ascendia a aproximadamente 29,2 mil milhões de euros no final do mês de junho, sendo um valor máximo. Isto é, nunca os portugueses confiaram tanto no Estado para proteger as suas poupanças como durante a pandemia de Covid-19.

Dos 29,2 mil milhões, mais de 17 mil milhões estavam aplicados em Certificados do Tesouro, recuperando já as saídas de 690 milhões registadas em janeiro deste ano (saídas que tiveram sobretudo a ver com o vencimento dos últimos Certificados do Tesouro Poupança Mais que ofereciam juros até 5% e foram emitidos em 2015).

Já os Certificados de Aforro representam um investimento dos aforradores portugueses na ordem dos 12,1 mil milhões de euros, traduzindo um aumento de 102 milhões de euros desde o início do ano.

Certificados engordam durante a pandemia

Fonte: Banco de Portugal

Estes dados vêm confirmar uma tendência de prudência das famílias portuguesas, que estão a reforçar as suas poupanças durante a crise provocada pelo surto do novo coronavírus. Esta terça-feira, o Banco de Portugal revelou ainda que o endividamento da economia agravou-se em maio para um novo recorde acima dos 740 mil milhões de euros, uma subida explicada essencialmente pelo crescimento da dívida pública e das empresas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Certificados crescem na pandemia. Aplicações engordam 130 milhões em junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião