Google obriga a ter localização do telemóvel ligada para usar apps de “contact tracing” no Android

A Google está a ser criticada por exigir aos utilizadores terem a localização do telemóvel ligada para poderem usar aplicações de "contact tracing", incluindo a portuguesa. Sistema usa Bluetooth.

Quando anunciaram a criação de um sistema de contact tracing que permite alertar as pessoas para possíveis contactos com doentes com Covid-19 através de uma aplicação para telemóvel, a Google e a Apple prometeram respeitar a privacidade e usar apenas o Bluetooth dos aparelhos.

Porém, estão a surgir alertas de que, no caso do Android, o sistema operativo da Google, pode não ser bem assim. Em causa está o facto de a Google exigir aos utilizadores que mantenham a localização dos telemóveis ligada para que o sistema de notificação funcione. Pelo menos em teoria, isso permite à empresa que, querendo, obtenha a localização exata dos aparelhos dos utilizadores através do GPS.

A informação foi reportada esta segunda-feira pelo The New York Times (acesso condicionado), que conta como as promessas de privacidade das duas tecnológicas levaram vários países a adotarem ao mais alto nível aplicações móveis voluntárias de contact tracing à Covid-19. Um desses países é Portugal, onde está prestes a ser disponibilizada ao público a app STAYAWAY COVID, desenvolvida pelo INESC TEC e já aprovada em Conselho de Ministros, e que usa a tecnologia da Google e da Apple.

A dúvida é, desde logo, técnica. Não quer isto dizer que a Google tem acesso à localização dos aparelhos com este tipo de aplicações a todo o instante. No entanto, as dúvidas prendem-se com a necessidade de ter o acesso ao GPS ligado no aparelho para que o sistema, que recorre apenas ao Bluetooth, poder funcionar. A empresa garante que, para estes efeitos, não recorre à geolocalização dos aparelhos.

Mas, segundo o jornal norte-americano, este facto começa a gerar desconforto em alguns utilizadores e, sobretudo, nos promotores de algumas das aplicações. Suíça e Letónia são exemplos de países que terão pressionado a Google a mudar esta definição, mas sem sucesso.

Não será, contudo, uma prática nova. Segundo assegurou ao jornal um porta-voz da Google, desde 2015 que os utilizadores do Android têm de ter a localização do smartphone ligada para poderem usar o Bluetooth. No entanto, esta definição ganha uma nova dimensão com o surgimento do contact tracing digital.

A Google e a Apple permitem apenas uma aplicação de contact tracing por país, numa altura em que é cada vez mais certo o lançamento da app portuguesa em agosto. O ECO confrontou o INESC TEC acerca destas dúvidas, que envolvem apenas o Android, e encontra-se a aguardar uma resposta do instituto.

As dúvidas agora noticiadas vão ao encontro das preocupações já expostas pela Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD), que analisou a avaliação de impacto da app portuguesa STAYAWAY COVID na privacidade dos cidadãos. A CNPD não deliberou um travão ao lançamento da mesma, mas apontou reticências no uso de tecnologia da Google e da Apple, na medida em que estas podem mudar as regras do jogo a qualquer instante.

Falando numa situação “problemática”, a CNPD recordou na altura que a política de privacidade do sistema da Google e da Apple declara que o mesmo “está sujeito a modificações e extensões, por decisão unilateral das empresas, sem que se possa antecipar os efeitos que tal pode ter nos direitos dos utilizadores”, sublinhou a comissão.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google obriga a ter localização do telemóvel ligada para usar apps de “contact tracing” no Android

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião