Procura por casas com terraço aumenta 24% nos últimos 3 meses

  • Lusa
  • 21 Julho 2020

Só nos últimos 3 meses, a imobiliária JJ "teve um aumento de 24% nas vendas e arrendamentos de casas com terraço”. Há maior preocupação com espaços exteriores e de trabalho devido à pandemia.

A imobiliária JLL revelou esta terça-feira que teve um aumento de 24% nas vendas e arrendamentos de casas com terraço, nos últimos três meses, e que há mais preocupação com espaços exteriores e de trabalho, devido ao “grande confinamento”.

A procura por espaços exteriores já era uma realidade em crescimento antes da pandemia, mas o confinamento veio intensificar a importância destes espaços com o aumento das horas que passamos em casa. […] Só nos últimos três meses, em plena pandemia, a JLL teve um aumento de 24% nas vendas e arrendamentos de casas com terraço”, afirmou, em comunicado, a responsável pelo segmento residencial da JLL, Patrícia Barão.

A JLL divulgou esta terça-feira os resultados do inquérito “Nova vida, nova casa?”, para perceber, junto de cerca de 1.400 inquiridos, qual o impacto da pandemia nas necessidades habitacionais dos portugueses e as novas preocupações que surgiram desta experiência. O estudo conclui que 49% dos portugueses faria ajustes na sua casa devido à pandemia, sendo a criação de um espaço de trabalho (51%) e a modernização do espaço exterior (34%) as duas principais alterações, destacando-se ainda a intenção de redecorar a casa (33%).

Mais 43% dos inquiridos mudaria de casa como consequência do confinamento, quando antes da pandemia apenas 19% estava à procura de uma nova habitação. Na procura de uma nova casa, a possibilidade de ter um espaço exterior privado foi a condição que ganhou maior relevo depois do confinamento, passando no grau de “muito importante” de cerca de 40% para 60%. Este fator foi mais valorizado por quem vive em apartamento, bem como por quem vive com parceiro/a e filhos.

Segundo a JLL, a existência de um “escritório doméstico” passou a ser outra prioridade na procura de casa, aumentando de um critério de cerca de 20% dos inquiridos para cerca de 40%. “A massificação do teletrabalho durante o confinamento está na base desta valorização, pois se antes 59% dos participantes não trabalhava em casa, agora 84% acredita ser ideal trabalhar a partir casa, pelo menos um dia por semana, exigindo um espaço adequado para isso”, refere o estudo.

No entanto, apenas 15% dos inquiridos admitiu que se mudaria para fora das cidades ou centros urbanos.

O inquérito “Nova vida, nova casa? – Teve a pandemia Covid-19 impacto nas necessidades habitacionais?” foi concluído em junho, com respostas de cerca de 1.400 pessoas, das quais 59% do sexo feminino e 41% do masculino. Do total de inquiridos, 32% tem entre 35 e 44 anos e outros 34% entre 45 e 54. A maioria dos inquiridos (59%) vive no centro urbano, 27% na periferia urbana e os restantes 14% fora da cidade.

A covid-19 é uma doença transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China. Para combater a sua propagação, foi decretado um dever geral de confinamento em casa, com as pessoas em teletrabalho, ‘lay-off’, assistência à família, ou mesmo sem emprego.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Procura por casas com terraço aumenta 24% nos últimos 3 meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião