Marcelo já promulgou Orçamento Suplementar

O Presidente da República deu "luz verde" ao Orçamento Suplementar, aprovado no início de julho na Assembleia da República.

Marcelo Rebelo de Sousa deu “luz verde”, esta quinta-feira, ao Orçamento Suplementar, um dia depois de o documento ter chegado a Belém e 20 dias após ter sido aprovado na Assembleia da República.

“Tendo em consideração a situação excecional vivida – aliás circunstanciadamente explicitada nas cartas recebidas dos Senhores Presidente da Assembleia da República e Primeiro-ministro -, que exige dispor com urgência de alterações ao Orçamento do Estado em vigor, o Presidente da República promulgou o diploma que procede à segunda alteração à Lei 2/2020, de 31 de março (Orçamento do Estado para 2020) e à alteração de diversos diplomas”, lê-se na nota publicada no site da Presidência da República.

O Orçamento Suplementar foi votado a 3 de julho na Assembleia da República, mas, conforme avançou o ECO, só chegou aos mãos do chefe de Estado para promulgação esta quarta-feira. No Parlamento, o documento em causa foi aprovado com o voto favorável do PS e a abstenção do PSD, PAN e Bloco de Esquerda.

Entre as principais alterações previstas no Orçamento Suplementar, está o reforço do apoio aos sócios-gerentes, bem como um novo apoio para os trabalhadores informais ou independentes, o reforço do orçamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e prémios para os profissionais do setor da saúde que estiveram “na linha da frente” do combate à pandemia de coronavírus.

A nota de promulgação do Orçamento conhecida esta sexta-feira veio ainda acompanhada de quatro cartas trocadas entre o Presidente da República, o primeiro-ministro e o presidente da Assembleia da República, nas quais Marcelo Rebelo de Sousa questiona Ferro Rodrigues e António Costa sobre a hipótese de pedir a fiscalização abstrata da constitucionalidade de alguma das normas do diploma.

Em resposta, o chefe do Executivo sublinha que, embora tenham sido efetivamente aprovadas medidas que podem violar a lei-travão que está imposta ao Parlamento, não irá recorrer ao Tribunal Constitucional, não considerando “oportuna a abertura de um conflito institucional com a Assembleia da República”.

(Notícia atualizada às 13h56)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo já promulgou Orçamento Suplementar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião