Sem rendas garantidas, Galamba garante que consumidores não vão pagar hidrogénio na fatura da luz

  • ECO
  • 23 Julho 2020

Sobre os custos do hidrogénio, Galamba diz que a própria União Europeia reconhece que há tecnologias que não estão maduras. "É por isso que temos de investir nelas agora".

O secretário de Estado da Energia, João Galamba, garantiu esta quarta-feira que os consumidores portugueses de energia elétrica não pagarão nas suas faturas da luz, no futuro, os custos da Estratégia Nacional de Hidrogénio, que ficará fechada esta semana depois de ter estado em consulta pública.

Quando questionado sobre se o Governo se compromete que não haverá rendas ao hidrogénio, tal como houve no passado para as centrais térmicas, com os CMEC, e para as renováveis, com as tarifas feed-in, Galamba respondeu em entrevista à SIC Notícias (acesso livre) que “não haverá subsidiação nenhuma de eletricidade” no que diz respeito ao hidrogénio verde. Haverá sim, confirmou o governante, “uma subsidiação de parte dos custos numa fase de arranque, como vão fazer todos os países e como vai apoiar a UE. A Autoeuropa quando veio para Portugal também foi subsidiada. Todos os projetos que se candidatam a fundos europeus são subsidiados”.

Sobre os custos do hidrogénio, Galamba diz que a própria União Europeia reconhece que há algumas tecnologias necessárias para atingir as metas de 2030 e 2050 que não estão maduras. “É por isso que temos de investir nelas agora. Há oportunidade de a indústria portuguesa participar neste processo. Crime económico é ser contra o hidrogénio, porque se não disponibilizarmos as tecnologias para a indústria se descarbonizar estaremos a cometer um crime contra a economia”, disse em entrevista à Edição da Noite.

Quanto ao manifesto anti-hidrogénio “Tertúlia Energia”, assinado por cerca de 30 personalidades, incluindo o ex-ministro Mira Amaral, o ex-presidente da Autoridade da Concorrência, Abel Mateus, o ex-secretário de Estado da Energia, Henrique Gomes, que defende que a aposta do Governo no hidrogénio é um “erro” e que “aumenta os custos de produção”, Galamba reafirmou e aproveitou para explicar o que já tinha dito num webinar promovido pela Ordem dos Engenheiros.

“O manifesto é um manifesto anti-hidrogénio, anti-eólicas, anti-solar, anti-Europa e anti-fundos europeus. É colocar Portugal como uma espécie de Coreia do Norte, à margem das fontes de financiamento”, disse na altura Galamba, citado pelo Expresso. Agora voltou à carga nas críticas ao documento: “Este conjunto de personalidades parece desconhecer que a Europa definiu como sua política a obrigatoriedade de descarbonizar. Reduzir as emissões em todos os setores da Economia não é um devaneio do Governo português. O manifesto é contra as eólicas, contra o solar e contra o hidrogénio, as três principais opções energéticas da CE, que permitem, à indústria alcançar metas. Têm de explicar, se repudiam a aposta no hidrogénio, como é que sugerem alcançar as metas”, disse o secretário de Estado, lembrando que a indústria nacional tem de reduzir mais de 40% das emissões até 2030.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sem rendas garantidas, Galamba garante que consumidores não vão pagar hidrogénio na fatura da luz

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião