Fesap diz que há serviços a propor acordos de teletrabalho que “não são sérios”

  • Lusa
  • 24 Julho 2020

A Fesap alerta que há alguns serviços do Estado a propor aos trabalhadores acordos para teletrabalho que “não são sérios” e exige que a matéria seja regulamentada.

O dirigente da Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap) disse esta sexta-feira que há alguns serviços do Estado a propor aos trabalhadores acordos para teletrabalho que “não são sérios” e exige que a matéria seja regulamentada.

“Não é séria a postura de alguns serviços”, afirmou à Lusa o líder da Fesap, José Abraão, antes de entrar para a reunião com o secretário de Estado da Administração Pública, José Couto, que hoje volta a receber as estruturas sindicais no Ministério da Modernização do Estado e da Administração Pública, em Lisboa, para discutirem o teletrabalho.

Segundo José Abraão, está a haver um “aproveitamento” por parte de “alguns serviços” que estão a apresentar acordos para teletrabalho aos funcionários que “penalizam a parte mais débil da relação do trabalho, que é o trabalhador”.

O dirigente sindical refere um acordo, sem especificar, que “tem uma cláusula em que o serviço de origem fica dispensado em disponibilizar seja o que for”. “O trabalhador tem de dispor de todas as ferramentas informáticas, bem como ter as condições de higiene e segurança” no seu posto de trabalho, seja em casa ou em outro local onde exerça funções.

“Isto não é sério e é por isso que queremos a regulamentação desta matéria, porque com acordos destes o empregador fica dispensado de tudo, passando toda a responsabilidade para o trabalhador”, sublinha José Abraão.

Além da Fesap, o secretário de Estado da Administração Pública recebe esta sexta-feira a Frente Sindical liderada pelo Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE) e a Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fesap diz que há serviços a propor acordos de teletrabalho que “não são sérios”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião