FESAP recusa isenção de horário em teletrabalho. Quer regras e critérios definidos

A FESAP quer que os critérios que ditam que funções são compatíveis com o teletrabalho fiquem bem definidos, pede a revisão do sistema de avaliação e rejeita a isenção de horário de trabalho.

A pandemia de coronavírus obrigou milhares de trabalhadores a exercerem as suas funções remotamente e o Governo já adiantou que, na Administração Pública, o teletrabalho veio mesmo para ficar, tendo convocado, por isso, os sindicatos para um processo negocial, que arrancou esta terça-feira. Em conversa com o ECO, após a primeira reunião sobre essa matéria, o dirigente da Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP), José Abraão, sublinha que é urgente densificar os critérios e as regras do trabalho à distância e recusa, desde já, a isenção de horário de trabalho.

O Ministério de Alexandra Leitão chamou os sindicatos da Função Pública para um processo negocial com vista a ponderar a introdução de alterações à regulamentação do teletrabalho na Administração Pública. A primeira reunião sobre essa matéria aconteceu esta terça-feira, estando previstas outras duas, para 14 e 24 de julho.

José Abraão considera que este primeiro encontro foi “positivo”, porque permitiu à FESAP “marcar muito bem” as suas posições. Ainda assim, o sindicalista deixa um pedido: quer ser recebido pelo secretário de Estado da Administração Pública ou pela ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública (esta terça-feira, foi recebido por técnicos desse Ministério). “É importante reunir com quem decide”, diz.

No que diz respeito às prioridades da FESAP sobre o teletrabalho, José Abraão frisa que é importante definir, desde logo, os períodos em que os funcionários públicos estarão nessa modalidade, de modo a que saibam “com o que contam”. Defende, ainda, que é preciso pensar em soluções para proteger as relações no seio das equipas e, a propósito, rever o sistema de avaliação, já que as relações entre colegas são um dos pontos tidos em conta nessa análise.

Além disso, para impedir a desregulação das relações de trabalho, o dirigente da FESAP recusa, à partida, a isenção de horário de trabalho e quer ver bem definidos os critérios que ditam se as funções são ou não compatíveis com o trabalho remoto.

Abraão sublinha também que é importante fiscalizar as condições de trabalho, no domicilio do trabalhadores, e propõe que sejam lançados alguns incentivos (progressões nas carreiras ou remuneratórios) no sentido de promover a adesão ao teletrabalho. O sindicalista defende ainda que é urgente garantir a igualdade no seio da Função Pública entre trabalhadores com contrato individual de trabalho e trabalhadores com contrato de trabalho em funções públicas.

No Programa de Estabilização Económica e Social (PEES), o Governo comprometeu-se a investir 4,4 milhões de euros com vista a garantir que 25% dos trabalhadores da Função Pública estejam em teletrabalho até ao final desta legislatura.

Frente Comum exige presença de membros do Governo na negociação

Para o líder da Frente Comum, Sebastião Santana, a reunião desta terça-feira não possibilitou qualquer avanço na discussão sobre o teletrabalho, já que, do lado do Ministério da Administração Pública, participaram apenas técnicos. “O que a lei diz é que uma negociação tem de ter membros do Governo”, defende o sindicalista, em conversa com o ECO.

A Frente Comum deixou, por isso, um ofício à ministra Alexandra Leitão, no qual a estrutura sindical sublinha que está disposta a negociar as questões do trabalho remoto, mas exige que as reuniões contem com a participação de membros do Executivo.

(Notícia atualizada às 16h53 com declarações da Frente Comum)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FESAP recusa isenção de horário em teletrabalho. Quer regras e critérios definidos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião