Moda de quatro patas ganha clientes em tempos de Covid-19

Marca portuguesa de acessórios para os animais de estimação nasceu em plena pandemia, mas nem a Covid-19 prejudicou o negócio. "Pandemia aproximou mais as pessoas dos seus quatro patas", diz a Dashi.

O negócio dos animais de estimação está em ascensão e a moda já chegou a este setor. No final do ano passado, Ricardo Pinto, lançou uma marca portuguesa de acessórios dedicada aos amigos de quatro patas, a Dashi. Apesar do lançamento coincidir praticamente com o início da pandemia, o fundador destaca que a Covid-19 não prejudicou o negócio. Bem pelo contrário.

“Durante esta pandemia as pessoas aproximaram-se mais dos seus animais de estimação, passaram a estar mais tempo em casa e a ter mais disponibilidade para amar e cuidar. Vi pessoas que tinham vontade de ter animais de estimação e viram nesta pandemia uma oportunidade”, conclui o fundador da Dashi.

Já existem muitas marcas que vendem acessórios como coleiras, trelas e peitorais para animais de estimação, mas até nesse mercado este tipo de produtos está a evoluir para acessórios mais personalizados, como diz o fundador “acessórios cheios de pinta”.

Os peitorais com padrões reversíveis são o produto mais vendido, seguido das coleiras e das trelas. A marca já vende para dez países, sendo a Europa o principal mercado. “Os peitorais têm dois designs: de um lado tem uma parte mais figurativa com cores vivas e do outro lado um design menos expressivo”, conta Ricardo Pinto.

Com estilo até no desporto

Os animais acompanham, muitas vezes, os donos nas práticas desportivas, seja a correr, andar de bicicleta ou até mesmo andar de skate e as trelas nem sempre são as mais adequadas. Focado em resolver esse problema, o fundador adianta ao ECO que vão lançar no final do ano uma nova gama de produtos associados às praticas desportivas. “É uma linha desportiva de trelas e arneses mais associadas à prática desportiva”, conta o fundador ao ECO.

“A moda acontece no lançamento da marca, mas estes produtos estão mais focados em inovação e desenvolvimento, vão ter uma componente técnica e uma parte prática. Estamos a desenvolver produtos para encontrar a melhor forma de andar com o cão nas práticas desportivas”, adianta ao ECO, Ricardo Pinto, fundador da Dashi.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moda de quatro patas ganha clientes em tempos de Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião