Câmara de Lisboa investe 14 milhões nas primeiras 128 casas de renda acessível na antiga Feira Popular

A autarquia vai dar início à construção do primeiro de cinco lotes de habitações de renda acessível nos terrenos da antiga Feira Popular de Lisboa. Investimento total ascende a 90 milhões.

A Câmara de Lisboa (CML) vai dar início à construção das primeiras 128 casas de renda acessível em Entrecampos, nos terrenos da antiga Feira Popular de Lisboa. Nesta primeira fase o investimento é de 14 milhões de euros, mas a meta da autarquia é construir 476 habitações a preços abaixo do mercado, num investimento total de 90 milhões de euros.

É na Avenida das Forças Armadas, paralela à estação de comboios de Entrecampos, que vão nascer habitações de renda acessível para jovens e famílias de classe média, inseridas numa obra que vai mudar o centro da cidade de Lisboa. A primeira pedra foi lançada esta sexta-feira, por Fernando Medina, dando, assim, o pontapé de partida para a construção das primeiras 128 habitações, cujo prazo de execução é de 16 meses.

Mas as casas não ficam por aqui. O objetivo da autarquia é construir mais quatro lotes, num total de 476 habitações e vários equipamentos sociais, que deverão começar a ser construídos até ao final do ano, elevando o investimento total para cerca 80 milhões de euros, refere a autarquia.

Estas habitações serão inscritas no Programa de Renda Acessível, lançado pela Câmara de Lisboa no ano passado, e que garante rendas 30% abaixo do rendimento mensal líquido das famílias e dos jovens de classe média.

É nos terrenos da antiga Feira Popular que vão nascer todas estas casas, assim como centenas de escritórios e serviços. Estes terrenos foram comprados em hasta pública pela Fidelidade em dezembro de 2018, que pagou 273,9 milhões de euros. O projeto para as três parcelas alienadas, com uma área total de 27 hectares, dos quais 2,5 hectares serão zonas verdes, já está minimamente idealizado, tendo sido apresentado à autarquia na semana passada, tal como o ECO noticiou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Câmara de Lisboa investe 14 milhões nas primeiras 128 casas de renda acessível na antiga Feira Popular

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião