Governo seleciona 37 projetos de hidrogénio que vão investir nove mil milhões de euros

Seguem para a fase seguinte metade das 74 manifestações de interesse apresentadas ao Governo e relacionadas com a preparação da candidatura portuguesa ao estatuto IPCEI.

O Ministério do Ambiente e da Ação Climática indicou que metade dos projetos de hidrogénio vão passar à fase seguinte. Das 74 manifestações de interesse apresentadas ao Governo e relacionadas com a preparação da candidatura portuguesa ao estatuto IPCEI – Projeto Importante de Interesse Europeu Comum para o Hidrogénio, avançam assim 37, depois da triagem efetuada pelo Comité de Admissão.

Estes 37 projetos representam um investimento de cerca de nove mil milhões de euros, informou o MAAC, em comunicado, um valor acima dos sete mil milhões de investimento privado inicialmente previstos.

“Os projetos com potencial para integrar a candidatura IPCEI permitiram estimar os valores de investimento potencial e identificar os fatores críticos, por componente da cadeia de valor”, disse o Governo em comunicado, na sequência do Info Day realizado esta segunda-feira e que teve como objetivo “clarificar eventuais complementaridades nas manifestações de interesse submetidas e promover sinergias entre os participantes”.

As 37 empresas foram convidadas pelo Governo para apresentarem os seus projetos mais em pormenor neste Info Day. EDP, Galp, Fusion Fuel, Resilient Group, foram algumas delas, ao que apurou o ECO/Capital Verde.

Para estes 37 projetos escolhidos, passar à fase seguinte significa que se inicia agora “um processo mais aprofundado, que exige mais detalhe de informação e de verificação das orientações específicas e transdisciplinares, definidas para a análise da compatibilidade com o mercado interno. Será ainda necessário estabilizar os valores de investimento e obter informação técnica e financeira mais detalhada. Este trabalho de aprofundamento permitirá selecionar os projetos que integrarão a candidatura IPCEI e será desenvolvido pelos participantes selecionados pelo Comité em estreita articulação com as entidades nacionais”, disse o MAAC no mesmo documento, sem divulgar a lista dos 37 eleitos pelo Comité de Admissão de Projetos.

Este comité integra as áreas governativas da Economia e Transição Digital, do Ambiente e da Ação Climática, da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e dos Negócios Estrangeiros. O Comité contou com o apoio técnico da Direção Geral de Energia e Geologia e do Laboratório Nacional de Energia e Geologia e foi criado no âmbito do despacho nº 6403-A/2020, de 17 de junho, que procedeu à abertura do período para a manifestação de interesse.

Quanto aos excluídos, as propostas que tiveram parecer desfavorável, o Governo diz que “continuam a ser uma mais-valia na cadeia de valor do hidrogénio e na prossecução da Estratégia Nacional para o Hidrogénio (EN-H2). Poderão, por isso, candidatar-se ao aviso do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos, no valor de 40 milhões de euros, bem como a outras fontes de financiamento setoriais e disponíveis no âmbito do Portugal 2020 e, ainda, a fontes europeias (por exemplo, o programa Horizon Europe)”.

(Notícia atualizada pela última vez às 19h55)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo seleciona 37 projetos de hidrogénio que vão investir nove mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião