Novo Banco vendeu 13 mil imóveis, deu crédito e foi compensado pelas perdas

  • ECO
  • 28 Julho 2020

Fundo das ilhas Caimão comprou imóveis, mas não arriscou os mais de mil milhões de dólares dos seus investidores. Pediu crédito ao Novo Banco.

Na alienação de 13 mil imóveis do portfolio “Viriato”, realizada em 2018, o Novo Banco foi o vendedor, mas também foi financiador de um fundo de investidores anónimos nas ilhas Caimão, diz o Público (acesso condicionado). Alienou a carteira, com perdas, mas foi compensado por esses prejuízos por parte do Fundo de Resolução. Valeriam, nas contas do banco, 631 milhões de euros. Foram vendidas por 364 milhões.

De acordo com o jornal, na operação anunciada no dia 10 de Outubro de 2018 à CMVM, o Novo Banco vendeu 5.552 imóveis e 8.719 frações às sociedades lisboetas, detidas pela sociedade luxemburguesa, que, por sua vez, pertence ao fundo de investidores anónimos nas ilhas Caimão. Este fundo comprou milhares de casas em Portugal e Espanha, a um preço baixo, sendo que não arriscou os mais de mil milhões de dólares dos seus investidores porque a compra que fez ao Novo Banco foi garantida por um empréstimo do próprio banco vendedor.

O valor das casas do portfolio “Viriato” provocou um prejuízo, contabilístico, no balanço do Novo Banco, diz o Público. Mas esse diferencial de preços, entre o seu valor estimado e o valor real da venda, foi colmatado por uma ajuda extra. O Fundo de Resolução, criado em 2012, compromete-se a injetar dinheiro sempre que as contas do Novo Banco fiquem ameaçadas, algo que aconteceu neste caso. O Novo Banco pediu que o Fundo de Resolução cobrisse parte das perdas que teve no negócio.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco vendeu 13 mil imóveis, deu crédito e foi compensado pelas perdas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião