Telefónica, TIM e Claro aumentam proposta para comprar Oi. Oferecem 2.706 milhões

O consórcio aumentou a proposta inicial para comprar o negócio móvel da operadora brasileira Oi, superando em 10% a concorrência. Oferece agora 2.706 milhões de euros.

A Telefónica, a TIM e a Claro aumentaram a oferta de compra sobre o negócio móvel da brasileira Oi para cerca de 2.706 milhões de euros, de forma a superar em 10% a proposta dos norte-americanos da Digital Colony, avança o Expansión (conteúdo em espanhol).

A 23 de julho, a Oi anunciou que tinha alcançado um acordo de exclusividade com a Highline Brasil, controlada pela Digital Colony, para negociar a venda do negócio de operações móveis por 15.000 milhões de reais (2.485 milhões de euros). Contudo, o consórcio Telefónica, TIM e Claro não quis ficar atrás e melhorou a proposta que tinha feito, uma possibilidade existente devido ao facto de ter sido o primeiro a “licitar”.

Assim, a proposta foi revista em alta para 16.500 milhões de reais (2.706 milhões de euros), superando em 10% a oferta da Highline. Em comunicado enviado à Comissão Nacional do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM espanhola), a Telefónica explica que esta nova proposta inclui a possibilidade de se assinarem contratos de longo prazo para o uso de infraestruturas pelo Grupo Oi.

“Como operadora de reconhecida solidez financeira e com presença e antecedentes de investimentos relevantes a longo prazo no Brasil”, a Telefónica assegura, assim, que a sua proposta é aceite e, no caso de ser a vencedora, “trará lucros aos seus acionistas”. A empresa defende ainda que a sua proposta responde às necessidades financeiras da Oi, permitindo que esta “possa implementar o seu plano estratégico e responder aos seus credores”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Telefónica, TIM e Claro aumentam proposta para comprar Oi. Oferecem 2.706 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião