Código fonte da app portuguesa de rastreio à Covid-19 já está publicamente disponível

Já foi disponibilizado no GitHub o código fonte da STAYAWAY, a aplicação portuguesa de rastreio à Covid-19. INESC TEC também publicou avaliação de impacto na privacidade dos utilizadores.

O código fonte da aplicação de contact tracing STAYAWAY já está publicamente disponível na plataforma GitHub, o que deverá permitir um escrutínio técnico do sistema português por parte da comunidade. A informação foi disponibilizada publicamente esta quarta-feira sob uma licença pública da União Europeia (UE).

A divulgação do código fonte da aplicação acontece depois de o INESC TEC, a entidade promotora, ter assegurado que divulgaria o código fonte da STAYAWAY “antes do lançamento nacional”, na sequência de uma notícia publicada pelo ECO. Na altura, o instituto não adiantou com que antecedência o faria, mas a divulgação acontece numa altura em que a aplicação ainda não pode ser usada pela generalidade dos portugueses.

Numa altura em que o lançamento desta aplicação de rastreio à Covid-19 está em fase de piloto fechado, o ECO apurou que a app já foi descarregada pelo menos 500 vezes na Play Store do Android. O piloto ainda não arrancou para utilizadores com iPhones, esperando-se que a aplicação seja lançada ao público em agosto.

Avaliação de impacto também já é pública

Em simultâneo, o INESC TEC tornou pública a Avaliação de Impacto sobre a Proteção de Dados que foi escrutinada pela Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD). O documento tem 92 páginas e aborda diversos aspetos técnicos do funcionamento da aplicação, bem como a forma como as diversas funcionalidades podem representar ou não riscos para os dados pessoais dos utilizadores.

Um dos aspetos mais relevantes tem a ver com a utilização de um mecanismo desenvolvido pela Google e pela Apple para o uso do Bluetooth dos telemóveis na deteção de possíveis contágios. Este foi o ponto em que a CNPD se mostrou mais reticente em relação à aplicação, e é também um aspeto abordado no relatório agora divulgado.

“É expectável […] uma atenção redobrada pela comunidade à forma como a GAEN API [sistema da Google e Apple] trata os dados. Por exemplo, apesar de o código ser fechado, há padrões de tráfego que podem ser monitorizados nos seus próprios dispositivos (ver com quem comunicam, quando e quais as características do tráfego) pela comunidade das áreas académicas e de segurança. De notar que, sendo os sistemas operativos fechados, este tipo de escrutínio já tem vindo a ser feito pela comunidade”, lê-se no relatório.

Consulte aqui a avaliação de impacto na íntegra:

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Código fonte da app portuguesa de rastreio à Covid-19 já está publicamente disponível

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião