Energia e BCP arrastam Lisboa para quarta sessão de perdas

A bolsa nacional encerrou em terreno negativo pela quarta sessão, num dia em que as principais praças europeias se dividiram entre ganhos e perdas.

A bolsa nacional encerrou em terreno negativo pela quarta sessão consecutiva, num dia em que as principais praças europeias se dividirem entre ganhos e perdas na maioria ligeiras. A desvalorização dos títulos do setor da energia e do BCP, que apresentou uma quebra de 55% os lucros do primeiro semestre, arrastaram o índice português para mínimos do início do mês.

O PSI-20 desvalorizou 0,27%, para os 4.395,6 pontos (a fasquia mais baixa desde 1 de julho), com os 18 títulos a dividirem-se em igual número entre o vermelho e o verde. Na Europa, o Stoxx 600 ficou quase inalterado, registando uma subida marginal de 0,02%. Já o DAX alemão perdeu 0,01%, enquanto o francês CAC-40 apresentou o melhor registo da sessão ao valorizar 0,8%.

Por Lisboa, a sessão foi condicionada pela desvalorização dos títulos do setor energético. A EDP caiu 2,13%, para os 4,311 euros, enquanto a Galp Energia desvalorizou 1,94%, para os 9,402 euros. A petrolífera continua a ser penalizada pelos prejuízos e pelo corte do dividendo que, na sessão de terça-feira, ditaram um tombo de mais de 5% às suas ações.

Referência negativa ainda para o BCP, que viu as suas ações perderem 1,48%, para os 10,01 cêntimos, isto depois de a instituição ter reportado uma quebra de 55%, para 76 milhões de euros, nos seus lucros que foram impactados pela necessidade de imparidades para fazer face às consequências da pandemia.

Em terreno positivo, destaque para o disparo de 8,91%, para os 12,12 cêntimos das ações da Pharol. Mas foram a Navigator, Nos e Jerónimo Martins que impediram perdas mais dilatadas na praça lisboeta. As ações da papeleira subiram 2,23%, para os 2,204 euros, apesar de ter revelado uma quebra nos lucros no primeiro semestre. Já as ações da operadora ganharam 1,72%, para os 3,906 euros, enquanto as da retalhista somaram 1,59%, para os 14,74 euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Energia e BCP arrastam Lisboa para quarta sessão de perdas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião