Oferta de transportes na Área Metropolitana de Lisboa reposta a 100% em setembro

  • Lusa
  • 29 Julho 2020

A Área Metropolitana de Lisboa considera que o ideal seria o Governo reforçar o financiamento aos operadores para que os municípios não tivessem de suportar esses custos sozinhos.

A oferta de transportes públicos na Área Metropolitana de Lisboa (AML) vai ser reposta a 100% a partir de setembro, anunciou esta quarta-feira o primeiro-secretário da AML, Carlos Humberto, defendendo a necessidade do reforço do financiamento por parte do Governo.

“Admito que consigamos chegar aos 100% a partir de setembro. Tenho a certeza absoluta. É para isso que intervimos e, pontualmente, poderemos ir mais longe numa carreira ou noutra”, sublinhou Carlos Humberto, em declarações à agência Lusa.

Em junho, o Conselho Metropolitano da Área Metropolitana de Lisboa, que tem funções como autoridade de transporte, decidiu repor a oferta nos 90%, sobretudo de autocarros, a partir de 1 de julho, na sequência da redução verificada desde meados de março, durante o confinamento provocado pela pandemia da covid-19.

O ajuste da oferta dos transportes públicos à retoma de algumas atividades no mês de setembro, nomeadamente as aulas presenciais, foi um dos temas abordados numa reunião que decorreu hoje de manhã e que juntou o secretário de Estado da Mobilidade, Eduardo Pinheiro, o presidente da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes, João Carvalho, autoridades de transportes e comunidades intermunicipais.

No entanto, para que a oferta dos transportes públicos volte a chegar aos 100%, Carlos Humberto considera que o ideal seria o Governo reforçar o financiamento aos operadores para que os municípios não tivessem de suportar esses custos sozinhos.

“Nós precisávamos de mais verbas do Governo, mas no caso da AML os municípios já estão a comparticipar com mais de 30 milhões [euros]. Se não conseguirmos convencer o Governo a aumentar o contributo, terá de ser a verba que estávamos a preparar para outras matérias desviada para o reforço da oferta”, apontou.

Segundo o Orçamento Suplementar de 2020, as áreas metropolitanas de Lisboa e Porto e as comunidades intermunicipais (CIM) vão receber até 94 milhões de euros para a reposição da oferta de transportes públicos.

A propósito da retoma das atividades letivas, Carlos Humberto defendeu a necessidade de as escolas articularem com as câmaras municipais ou com as autoridades de transporte o funcionamento das aulas, para que as mesmas sejam estruturadas com os horários dos transportes. O primeiro-secretário da AML adiantou ainda que durante o mês de julho houve um aumento na procura dos transportes públicos, registando-se vendas de passes superiores a 50%.

Outro dos pontos em discussão foi o concurso internacional para a aquisição do serviço público de transporte rodoviário de passageiros na Área Metropolitana, prevendo-se que no início de setembro possam ser entregues as propostas das entidades concorrentes e a conclusão do processo no final do ano.

Segundo o concurso público internacional, lançado em fevereiro deste ano, no valor de 1,2 mil milhões de euros, todos os autocarros na AML vão pertencer à marca única Carris Metropolitana até meados de 2021, adotando a cor amarela tradicional da empresa que até agora serve Lisboa.

Posteriormente, a AML irá também gerir outros meios de transporte na sua área, estando previsto que o passo seguinte seja a Soflusa e a Transtejo, seguindo-se o Metropolitano e os comboios suburbanos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Oferta de transportes na Área Metropolitana de Lisboa reposta a 100% em setembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião