Blip cria plataforma para facilitar recrutamento. Há 70 vagas em IT

  • Pessoas
  • 29 Julho 2020

A portuense, que produz tecnologia e software à medida para web e mobile, desenvolveu uma plataforma para facilitar o recrutamento para a empresa. Tem 70 vagas para profissionais experientes em IT.

O empresa portuense Blip, que produz tecnologia e software à medida para web e mobile, desenvolveu um website de recrutamento para preencher as cerca de 70 vagas disponíveis na área das TI, para quadros médios e sénior, para o escritório no Porto. A nova plataforma de recrutamento online tem como objetivo tornar o processo de candidatura mais apelativo e intuitivo.

Sob o mote “Find your dream job”, a Blip apresenta alguns benefícios no processo de recrutamento, tais como flexibilidade de horários, formação contínua, apoio à família ou oportunidade de participar em intercâmbio internacional. O tech hub do Porto emprega atualmente 300 pessoas.

“Uma das imagens de marca da Blip é a sua política de atração e retenção de talento, e não foi a pandemia a travar este esforço. Apesar da crise causada pela Covid-19, abrimos 70 vagas principalmente para quadros médios e sénior, que pretendemos que sejam preenchidos com talento de referência”, refere Ângelo Valente, senior employer brand manager.

No website da empresa, há ainda um espaço para os atuais trabalhadores partilharem o seu testemunho com os futuros candidatos. A criação do website está integrada num projeto desenvolvido em plena pandemia, que consistiu na criação de cinco websites para diferentes empresas que integram o Flutter Entertainment, em Portugal, Irlanda, Reino Unido, Malta e na Roménia

A Blip nasceu em 2009 e foi adquirida, em 2012, pela Paddy Power Betfair (PPB), empresa britânica de jogo online cotada na London Stock Exchange, tornando-se um dos principais hubs tecnológicos da empresa a nível global.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Blip cria plataforma para facilitar recrutamento. Há 70 vagas em IT

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião