BNP Paribas prossegue aposta no recrutamento. Vai contratar 1.200 pessoas até ao final do ano

Portugal atraiu centenas de projetos do banco, desenvolvidos no país. Este ano, o BNP Paribas já contratou 800 pessoas para os escritórios nacionais e não vai parar de recrutar.

A pandemia de Covid-19 condicionou processos de recrutamento e onboarding mas, no BNP Paribas, os planos de expansão e crescimento do banco para 2020 mantêm-se. A empresa, que conta com mais de 6.000 trabalhadores em Portugal, defende o mesmo posicionamento: desde o início do ano e, até ao momento, começaram a trabalhar na instituição cerca de 800 pessoas e os planos de recrutamento devem chegar às 2.000 novas contratações até ao final do ano, explica à Pessoas do ECO Carla Jorge da Costa, head of recruitment & talent sourcing do BNP Paribas.

“Neste contexto muito particular, a partir de 16 de março continuámos a acolher e a contratar, não interrompemos a nossa atividade e praticamente não abrandámos”, assegura a responsável. O banco segue, por isso, à procura de candidatos com formação superior e que sejam fluentes em inglês, a língua oficial do banco, para preencher as cerca de 1.200 posições disponíveis para este ano.

Portugal tem, nos últimos anos, atraído “várias centenas de projetos” do BNPParibas para serem desenvolvidos no nosso país. “Portugal é uma plataforma de crescimento e, por isso, o BNP Paribas acaba por não ser apenas um banco para ser, também, uma consultora, uma fintech, um polo de ciência de dados”, explica a especialista. A isso também se deve a diversidade de perfis procurados, que vão desde os mais habituais na banca, como finanças ou gestão, a perfis de direito, engenharia, matemática ou machine learning. Estes perfis menos tradicionais na banca já representam cerca de 10% da força de trabalho do BNP Paribas em Portugal.

Segundo Carla da Costa, a capacidade de atração de Portugal deve-se à qualidade do talento disponível, mas também a fatores externos como a qualidade de vida. Nos escritórios de Lisboa, trabalham pessoas de mais de 40 nacionalidades que, rapidamente, por força das medidas de confinamento, começaram a trabalhar a partir de casa em poucos dias, sítio onde continuam atualmente. “Começámos a trabalhar remotamente em poucos dias, inclusivamente a equipa de recrutamento”, assinala a responsável.

Desde 16 de março, o BNP Paribas participou em vários eventos de recrutamento, organizados pelo banco ou, em parceria com universidades. Desses eventos resultaram cerca de 1.400 candidaturas a lugares disponíveis no banco. “Os planos de crescimento do banco não abrandaram neste contexto, e Portugal continua a ser uma localização estratégica”, explica Carla da Costa, assinalando que, além das competências técnicas, o banco procura “espíritos preparados para integrar um contexto muito global” e que tenham características como “flexibilidade, forte resiliência e capacidade de trabalhar em equipa”.

Pandemia ajuda a aprender

Se a pandemia trouxe muitos desafios, também trará enormes aprendizagens. Mas não para já. “Ainda requer a nossa reflexão e esforço conjunto de aprendizagem das lições. Ajudou-nos, por agora, a discutir a forma como se vê o trabalho no dia-a-dia. E para percebermos que é possível ter a grande maioria das pessoas num regime que incorpore mais o teletrabalho”, assinala Carla da Costa.

Por isso, se antes do Covid-19 o BNP Paribas permitia o teletrabalho a apenas algumas áreas do banco — e estas funcionavam como uma espécie de projetos-piloto na empresa –, a pandemia veio provar que estender essa dinâmica a todas as áreas não seria sinónimo de paragem ou atraso. “Por força das circunstâncias, fomos forçados a isso e o banco não parou. Houve desafios, claro, essencialmente numa fase inicial, de definição dos processos, mas essencialmente desafios tecnológicos como a largura de banda e a criação de infraestruturas informáticas. Fizemos um trabalho extraordinário e em tempo recorde”, assinala.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BNP Paribas prossegue aposta no recrutamento. Vai contratar 1.200 pessoas até ao final do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião