Dos debates no Parlamento aos sons cubanos no Algarve. André Silva vai de férias

André Silva adianta, no "Eles vão de férias para...", que vai dividir os seus dias de descanso entre o Algarve e Aveiro.

Nas primeiras três semanas de agosto, André Silva vai trocar a correria de São Bento pelo descanso do Algarve e de Aveiro. Ainda antes da pandemia de coronavírus, o deputado do PAN já contava dedicar as suas férias de verão ao turismo nacional, conta ao ECO no âmbito da rubrica “Eles vão de férias para…”.

“São dois destinos que não tenho escolhido para passar férias e este ano surgiu a oportunidade de conhecer melhor“, diz André Silva. Na bagagem, o deputado vai levar “poesia e sons cubanos”.

Onde é que vai passar as férias este verão?

Vou estar de férias nas primeiras três semanas de agosto e vou dividir os meus dias entre o Algarve e a zona de Aveiro.

A pandemia obrigou a alguma mudança de planos?

O plano já seria passar férias em Portugal, pelo que nesse sentido não houve nenhuma mudança de planos.

Que cuidados vai ter por causa da Covid-19?

Durante as férias, tal como até agora, terei sempre bem presente o cumprimento das recomendações da DGS, nomeadamente o uso de máscara em locais públicos, a devida higienização das mãos e as regras de etiqueta respiratória e de distanciamento social.

O que têm esses destinos de tão especial?

São dois destinos que não tenho escolhido para passar férias e este ano surgiu a oportunidade de conhecer melhor.

O que recomenda que não se deve mesmo perder nesse destino?

Praias e reservas naturais.

E que livro, filme ou álbum de música vai levar consigo?

Poesia e sons cubanos.

“Eles vão de férias para…” é uma rubrica de verão em que o ECO lançou o desafio a governantes, gestores e empresários para partilharem com os nossos leitores onde vão, ou foram, neste período de descanso. É publicada diariamente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dos debates no Parlamento aos sons cubanos no Algarve. André Silva vai de férias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião