Boris Johnson adia próxima etapa de desconfinamento

  • Lusa
  • 31 Julho 2020

Antes de ser detetado um aumento dos casos de contágio do novo coronavírus, as medidas incluíam a reabertura já este fim de semana de casinos, pistas de patinagem e "pequenos" banquetes de casamento.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, adiou por duas semanas pelo menos, até 15 de agosto, a próxima fase do plano de levantamento das medidas de proteção sanitária contra a Covid-19, devido ao aumento de casos.

Antes de ser detetado um aumento dos casos de contágio do novo coronavírus, as medidas incluíam a reabertura já este fim de semana de casinos, pistas de patinagem e “pequenos” banquetes de casamento.

Numa conferência de imprensa com o médico Chris Whitty, assessor do primeiro-ministro, Boris Johnson afirmou que é preciso atuar de imediato, depois de o Gabinete Nacional de Estatística ter detetado um aumento de casos de Covid-19 “na comunidade” com a prevalência de 01 contágio para cada 1.500 pessoas.

“É um sinal de alerta” que o Governo “não pode ignorar”, disse o chefe do executivo sublinhando que a Covid-19 está a “avançar rapidamente na Ásia e na América Latina”.

“Alguns dos nossos amigos europeus têm dificuldades em controlar (o aumento dos contágios)”, acrescentou.

O primeiro-ministro assinalou que continua em vigor a opção sobre as deslocações para os locais de trabalho “sempre que se cumpram as medidas de segurança” e que as “pessoas vulneráveis” podem sair à rua sem conselho médico.

Johnson indicou que “além de estar em causa” a reabertura de locais de risco, vai ser obrigatório o uso de máscara de proteção sanitária em sítios fechados como museus, cinemas, locais de culto e estabelecimentos comerciais.

O médico Chris Whitty diz que é “incorreto” pensar-se que se pode reabrir a sociedade e manter controlado o vírus admitindo que se chegou “ao limite” do que pode estar a funcionar sem risco de aumentar a prevalência do contágio de forma exponencial.

“O travão” ao plano de desagravamento das medidas, segundo Boris Johnson, foi decidido depois de o Governo ter anunciado através da rede social Twitter a imposição, a partir de hoje, de novas restrições na maior parte das regiões do norte de Inglaterra, que impede visitas a casas particulares.

Em declarações à BBC, o ministro da Saúde, Matt Hancock, defendeu as medidas ao assinalar que, segundo os dados de rastreio dos contágios, a maior parte da transmissão do vírus, mais ativo no território da Inglaterra, acontece em “visitas de familiares e amigos em casas particulares”.

A diretiva significa que os habitantes de cidades como Manchester e a área metropolitana correspondente, assim como os condados de East Lancashire e parte de West Yorkshire não podem encontrar-se em casas uns dos outros, nem mesmo nos jardins.

Nas mesmas zonas não são permitidos grupos em restaurantes ou “pubs”.

Hancock reconheceu que a medida afeta a comunidade muçulmana numa altura em que se preparava para as festividades familiares do Eid al-Adha, no próximo fim de semana.

No resto do território da Inglaterra, na Irlanda do Norte, Escócia e País de Gales “há um desconfinamento relativo” mas o ministro da Saúde disse que as autoridades estão alerta sobre a possibilidade de uma “segunda vaga na Europa”.

No Reino Unido, morreram de Covid-19 45.999 pessoas até quinta-feira, dia em que foram comunicados 38 óbitos em 24 horas.

O número de contágios foi de 846 novos casos, no mesmo dia, o maior número ocorrido num período de 24 horas durante um mês.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Boris Johnson adia próxima etapa de desconfinamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião