Economia afunda 16,5% no segundo trimestre, a maior queda de sempre

Dada a importância deste número, o Instituto Nacional de Estatística (INE) antecipou para esta sexta-feira a divulgação da estimativa rápida do PIB do segundo semestre.

A economia portuguesa contraiu 16,5%, em termos homólogos, no segundo trimestre de 2020, no qual já foi totalmente afetada pela pandemia. Já face ao trimestre anterior, em cadeia, a quebra foi de 14,1%. Os dados foram divulgados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) na estimativa rápida do PIB que foi antecipada 15 dias.

Esta é a maior queda do PIB num trimestre de que há registo oficial, como sugere o gráfico do INE. Até agora, a maior quebra do PIB num trimestre, em termos homólogos, tinha sido registada no quarto trimestre de 2012 quando a economia contraiu 4,5%, de acordo com a série histórica do INE que começa em 1996.

“Refletindo o impacto económico da pandemia, o Produto Interno Bruto (PIB) registou uma forte contração em termos reais no 2º trimestre de 2020, tendo diminuído 16,5% em termos homólogos, após a redução de 2,3% no trimestre anterior”, explica o gabinete de estatísticas.

PIB dá maior trambolhão de sempre

Esta contração é explicada “em larga medida pelo contributo negativo da procura interna para a variação homóloga do PIB, que foi consideravelmente mais negativo que o observado no trimestre anterior, refletindo a expressiva contração do consumo privado e do investimento”. Ou seja, com as famílias maioritariamente em casa e as empresas a funcionar a meio gás, a procura interna acabou por ser abalada neste trimestre.

Além disso, a procura externa líquida (as exportações descontadas das importações) passou a dar um contributo ainda mais negativo para o PIB no segundo trimestre, “traduzindo a diminuição mais significativa das Exportações de Bens e Serviços que a observada nas Importações de Bens e Serviços devido em grande medida à quase interrupção do turismo de não residentes“. Ou seja, a falta de turistas no território nacional levou a uma quebra das exportações superior à redução de importações que ocorreu por causa da pandemia.

Na comparação em cadeia, isto é, a variação entre o primeiro trimestre e o segundo trimestre, o PIB caiu 14,1%, o que compara com a queda de 3,8% registada no primeiro trimestre (face ao quarto trimestre de 2019). Segundo o INE, “este resultado é também explicado, em larga medida, pelo contributo negativo da procura interna para a variação em cadeia do PIB, verificando-se também um maior contributo negativo da procura externa líquida”. Também em cadeia esta é uma queda histórica do PIB.

Neste destaque, o INE informa que manterá a divulgação do PIB a 14 de agosto que, neste caso, será a segunda estimativa, e a 31 de agosto chegarão os dados detalhados do que aconteceu na economia no segundo trimestre.

O gabinete de estatísticas aproveita para avisar que poderá haver mais revisões por causa da divulgação “mais precoce” dos indicadores, “refletindo quer as incertezas associadas à pandemia quer o menor volume de informação primária disponível”. “Contudo, esta antecipação na disponibilidade de informação macroeconómica permite também alinhar Portugal com outros países, designadamente da União Europeia”, assinala.

(Notícia atualizada às 9h49 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Economia afunda 16,5% no segundo trimestre, a maior queda de sempre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião