Navigator Company recebe 27,5 milhões do BEI para caldeira a biomassa

Na fábrica da Figueira da Foz a matéria-prima é proveniente de florestas certificadas por sistemas de certificação florestal reconhecidos internacionalmente ou considerada como madeira controlada.

A papeleira The Navigator Company quer ser uma empresa neutra em carbono até 2035 e para isso vai construir e instalar uma nova caldeira a biomassa na sua fábrica integrada de pasta e papel da Figueira da Foz, um projeto que será apoiado pelo Banco Europeu de Investimento com um financiamento de 27,5 milhões de euros. Os fundos são concedidos ao abrigo do Plano de Investimento para a Europa.

Esta é já a oitava transação entre o BEI e a The Navigator Company. No mais recente projeto, o banco europeu apoiou os investimentos da The Navigator Company nos domínios da inovação e da ação climática, nomeadamente o financiamento da modernização da fábrica da Figueira da Foz e da melhoria das suas tecnologias de produção, o que permitiu reduzir a energia consumida e a quantidade de produtos químicos utilizados, bem como as emissões de gases com efeito de estufa, graças à substituição dos combustíveis fósseis por um recurso acrescido à biomassa, uma fonte de energia renovável.

De acordo com a Comissão Europeia, em comunicado, o maior fabricante de papel e pasta de papel da Europa apenas utiliza na fábrica da Figueira da Foz matéria-prima proveniente de florestas certificadas por sistemas de certificação florestal reconhecidos internacionalmente ou considerada como madeira controlada. “Este projeto contribuirá também claramente para o apoio ao emprego rural e às economias rurais em Portugal, mediante o desenvolvimento de uma cadeia de valor das florestas e da bioeconomia”, refere o mesmo comunicado.

A substituição do equipamento existente por uma nova caldeira a biomassa faz parte dos investimentos que a empresa está a realizar para neutralizar as emissões de carbono, sendo considerada uma “medida crucial para conservar e reforçar a sua competitividade e presença no mercado num setor cíclico, especialmente no contexto das profundas consequências económicas da atual pandemia de Covid 19”.

“Estamos muito satisfeitos por apoiar a ambiciosa estratégia de descarbonização da The Navigator Company e os seus esforços em modernizar a produção para torná-la mais sustentável e fortalecer a sua competitividade. Ao impulsionar a recuperação económica após a crise da Covid 19, este projeto promoverá a economia circular e ajudará a UE a alcançar o seu objetivo de neutralidade climática até 2050″, disse a vice-presidente do BEI Emma Navarro, responsável pelas operações em Portugal e pela ação climática do Banco.

“A ação climática e a coesão, juntamente com o crescimento sustentável, continuam a ser as principais prioridades do BEI, mesmo durante esta pandemia. Temos o prazer de apoiar um projeto que está a contribuir fortemente para esses objetivos em Portugal e na Europa”, disse.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Navigator Company recebe 27,5 milhões do BEI para caldeira a biomassa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião