Indústria do papel quer fazer parte da recuperação verde, investe 100 milhões em sustentabilidade

Altri, DS Smith, Renova e The Navigator Company gerem quase 170 mil hectares de floresta certificada e querem ser "atores fundamentais para a recuperação verde europeia".

Em pleno século XXI, e com a digitalização da economia a todo o vapor, em 2018 cada português consumiu ainda, em média, 102,8 kg de papel e cartão. Já chegou a ser muito mais, mas também já foi menos. Portugal é terceiro maior produtor europeu de pasta e o 11.º que mais produz papel e cartão. Em 2018, as quatro empresas associadas da CELPA — Associação da Indústria Papeleira — Altri, DS Smith, Renova e The Navigator Company — registaram um volume de vendas de 2.913 milhões de euros, ou seja, 1,44% do PIB nacional. Agora, as papeleiras nacionais querem ser também melhores na sustentabilidade.

“Estes resultados têm vindo a ser acompanhados por uma permanente preocupação com o ambiente, o que se traduz também em fortes investimentos nesta área“, garante o secretário-geral da CELPA, Luís Veiga Martins, revelando que, na última década, a indústria do papel “investiu mais de 100 milhões de euros em tecnologias para otimizar o seu desempenho ambiental”. Números de 2018 mostram que houve uma redução de 7% na utilização de água por tonelada de pasta produzida, menos 10% na carga orgânica dos efluentes e uma redução, em cerca de 5%, nas emissões de partículas. Os biocombustíveis continuaram a ser uma aposta, tendo representado 70% dos combustíveis consumidos pelo setor.

“Estas empresas gerem quase 170 mil hectares de floresta certificada, garantindo uma gestão responsável que protege as funções ambiental, social e económica, e constituem-se como atores fundamentais para a recuperação verde europeia”, refere a CELPA em comunicado.

Com as preocupações ambientais no centro das atenções em todo o mundo, a indústria portuguesa de pasta, papel e cartão compromete-se assim a contribuir para mitigar as alterações climáticas com ações e investimentos em diversas áreas, nomeadamente, na área da prevenção de incêndios, onde as empresas associadas da CELPA já investiram nos últimos anos 15,4 milhões de euros. Em investigação e desenvolvimento, os investimentos ascenderam a 23,3 milhões de euros, com as ões de proteção ambiental a canalizar mais 33,3 milhões.

Ao ECO/Capital Verde, Luís Vega Martins admite a “maior visibilidade dos impactos negativos” da indústria do papel no ambiente, mas garante que há contributos positivos que quase ninguém vê. O exemplo está no facto de a indústria ter empresas próprias de sapadores florestais para combater os incêndios nos milhares de hectares que gerem no país, sendo que “95% da sua atuação é feita em ações de proteção de toda a floresta portuguesa”, da qual o Estado só detém 4%.

E apesar dos mais de 100 kg de papel que cada português gasta por ano, 70% do papel consumido é reciclado, seja ele papel gráfico e de escritório, cartão canelado de embalagens ou papel de uso doméstico. “Cada fibra de papel pode ser reciclada sete vezes até ser valorizada. A economia circular já é maioritária na indústria do papel e tenderá a crescer se todos contribuírem para a reciclagem do produtor até ao consumidor final“, garante a CELPA, acrescentando que “79% da água utilizada na produção é restituída limpa ao meio ambiente, fazendo da indústria papeleira, uma das mais eficientes na gestão dos recursos ambientais”.

Ainda assim, Luís Veiga Martins alerta para “os efeitos da pandemia Covid-19 na reciclagem. Durante o período de confinamento alguns concelhos suspenderam a recolha de resíduos selecionados para prevenir o contágio da Covid-19, ainda que necessária, esta suspensão certamente terá efeitos nas metas com que Portugal está comprometido. À medida que o desconfinamento avança, é importante que se tomem medidas para incentivar e sensibilizar os consumidores a aumentarem a reciclagem e os produtores a incorporarem material reciclado”.

Os números mostram também que 76% dos resíduos sólidos resultantes da produção da indústria papeleira são valorizados na produção de energia ou através de simbioses industriais com outros setores de atividade. Por ano, as quatro empresas geram mais de 3,4 TW (terawatts) de energia elétrica a partir de biomassa (6% da eletricidade produzida no país), sendo que 73% são utilizados na produção de papel e cartão e os restantes 27% injetados na rede nacional.

São apenas quatro grupos empresariais — Altri, DS Smith, Renova e The Navigator Company –, mas juntos são proprietários e responsáveis pela gestão direta de quase 170 mil hectares de floresta certificada, o que representa 5,2% da floresta nacional. Por ano produzem 2,67 mil toneladas de pastas de fibra virgem (eucalipto e pinho, dados de 2018) e 214 mil toneladas de pastas de papel para reciclar. Portugal é assim o terceiro maior produtor europeu de pasta, com 7,2% do total, exportando para 24 países (com a União Europeia a absorver 72,6% das exportações nacionais, e apenas 10,3% a ficar no mercado nacional). Os restantes 15,4% seguem para o Médio Oriente, Ásia e Oceânia. No que diz respeito ao papel e cartão, a produção nacional ronda as 2.060 mil toneladas, com exportações para cerca de 160 mercados internacionais.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Indústria do papel quer fazer parte da recuperação verde, investe 100 milhões em sustentabilidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião