Porto vai ajudar com 200 euros mais 479 famílias a pagar a renda

A oitava edição do "Porto Solidário" recebeu 729 candidaturas, das quais 479 foram aprovadas. A autarquia vai apoiar as famílias com uma ajuda média de 193,11 euros durante dois anos.

A Câmara do Porto vai ajudar mais 479 famílias a suportar as despesas com as rendas, através do programa “Porto Solidário – Fundo Municipal de Emergência Social”. A autarquia vai dar mensalmente um apoio médio de quase 200 euros durante dois anos. O investimento público nesta oitava edição do programa é o mais alto de sempre, superando os 1,3 milhões de euros.

Lançado em 2014, o “Porto Solidário” fechou no final de junho a oitava edição. Em comunicado, a Câmara do Porto adianta que, entre 2 e 19 de junho, foram recebidas 729 candidaturas, das quais 479 mereceram aprovação. O valor do apoio médio mensal atribuído a estes beneficiários será de 193,11 euros durante dois anos.

Mas o objetivo desta edição é apoiar mais famílias. De acordo com a autarquia presidida por Rui Moreira, a meta passa por ajudar 560 agregados familiares a suportar os encargos com as rendas, dado que o orçamento para esta oitava edição “atingiu a maior dotação orçamental de sempre, no valor de mais de 1,3 milhões de euros”.

Desde que foi criado há seis anos, o “Porto Solidário” já apoiou 3.121 famílias da cidade, com um apoio médio mensal de 178,52 euros. Em todo este tempo, o investimento municipal supera os 7,8 milhões de euros. A iniciativa está direcionada para pessoas e famílias com graves dificuldades financeiras, que se veem impossibilitadas de suportar os custos com uma renda ou com a compra de uma habitação.

Recentemente, numa tentativa de atrair para o centro do Porto mais residentes, Rui Moreira lançou o “Porto Com Sentido”, um programa em que a Câmara vai arrendar imóveis a privados — sobretudo de alojamento local — para depois os subarrendar a preços acessíveis.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Porto vai ajudar com 200 euros mais 479 famílias a pagar a renda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião