Fundo britânico em negociações para comprar Lagoas Park por 425 milhões

O parque empresarial em Oeiras foi vendido há dois anos pela Teixeira Duarte aos britânicos da Kildare Partners. Prepara-se agora para mudar novamente de mãos.

Dois anos depois de ter sido vendido pela Teixeira Duarte, o Lagoas Park está prestes a mudar novamente de mãos. O fundo britânico Henderson Park Capital Partners está em negociações avançadas com a Kildare Partners, atual proprietária, também do Reino Unido, para adquirir este parque empresarial em Oeiras, no distrito de Lisboa. A notícia é avançada pelo site React News (acesso pago, conteúdo em inglês), que fala numa operação de 425 milhões de euros.

A concretizar-se por este valor, esta transação representará uma yield de quase 6% para os britânicos da Henderson Park e será uma das maiores operações do setor imobiliário do ano, explicou ao ECO uma fonte do mercado, ficando apenas atrás da venda de 50% da joint-venture Sierra Prime pela Sonae Sierra e APG à Allianz
Real Estate e Elo, por cerca de 800 milhões de euros.

O Lagoas Park é um dos maiores parques empresariais do país, com 85.000 metros quadrados, composto por 15 edifícios de escritórios, um business hotel de quatro estrelas, centros de conferências e eventos, um ginásio, restaurantes, lojas de comércio e 5.700 lugares de estacionamento. Conta ainda com um hub tecnológico que acolhe mais de uma centena de empresas como a Google (maior empresa do Lagoas Park), a Cisco, a Oracle, SAP e Dell.

Lagoas Park, OeirasD.R.

Este parque empresarial foi vendido em 2018 pela Teixeira Duarte aos britânicos da Kildare Partners por 375 milhões de euros, numa altura em que a construtora avançava com um processo de venda de ativos para reduzir a dívida.

A Kildare, diz o site React News, foi fundada há quatro anos e é atualmente liderada por Ellis Short, ex-executivo da Lone Star. O ECO contactou a Curzon Advisers, uma empresa de serviços da Kildare, mas esta não quis fazer comentários.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundo britânico em negociações para comprar Lagoas Park por 425 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião