Quais são os setores onde se ganha mais em Portugal?

Existe uma discrepância entre os salários nos vários setores de atividade, sendo que entre o ordenado médio mensal mais alto e o mais baixo há uma diferença de 2.313 euros.

Sabe quais são as profissões mais bem remuneradas em Portugal? Aqueles que trabalham na área da eletricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio são aquelas que ganham mais, tendo um ordenado bruto médio mensal de 3.074 euros. No extremo oposto encontram-se os portugueses no setor do alojamento, restauração e similares, cuja remuneração média se situa nos 761 euros.

Feitas as contas, a remuneração bruta mensal média dos trabalhadores portugueses, que inclui os subsídios de férias e de Natal e outras componentes salariais, foi de 1.326 euros, no trimestre terminado em junho de 2020, mostram os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quinta-feira. Mas a discrepância entre os setores de atividade é grande, sendo que entre o ordenado médio mais alto e o mais baixo há uma diferença de 2.313 euros.

Para além da área dos trabalhadores mais bem pagos, há apenas três outros setores em Portugal em que a remuneração média mensal dos funcionários é superior a 2 mil euros: informação e comunicação (2.041 euros), educação (2.181 euros) e atividades financeiras e de seguros (2.440 euros).

Remuneração bruta mensal média por trabalhador em junho de 2020

Por outro lado, também são apenas quatro os setores que recebem, em média, menos de mil euros por mês. É o caso do alojamento, restauração e similares (761 euros), setor onde os salários são mais baixos, bem como da agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca, onde a remuneração bruta média é de 818 euros.

Para além destes, também as profissões ligadas à construção e às atividades administrativas e dos serviços de apoio se encontram entre as que têm menores salários, 928 euros e 892 euros, respetivamente, de acordo com os dados mais recentes do INE.

Remuneração bruta mensal média por trabalhador em junho de 2020

De salientar que estes dados dizem respeito aos postos de trabalho correspondentes a beneficiários da Segurança Social e a subscritores da Caixa Geral de Aposentações e são referentes ao trimestre terminado em junho, altura em que várias empresas aderiram ao regime do lay-off simplificado, que teve assim influência no valor dos ordenados dos portugueses, já que passavam a receber, no mínimo, dois terços da retribuição normal ilíquida.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quais são os setores onde se ganha mais em Portugal?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião