Volume de negócios nos serviços e indústria cai mais de 25% com a pandemia

Em junho já se registou um abrandamento das quebras no volume de negócios nos serviços e indústria, com a atividade económica no país a recuperar.

No segundo trimestre do ano, o período mais crítico da pandemia, verificaram-se quebras expressivas no volume de negócios nos serviços, de 30,5%, e nas vendas na indústria, de 25,7%, comparativamente com o mesmo período de 2019. Ainda assim, em junho já se registou um abrandamento das quedas nestes setores, com a atividade económica a recuperar, segundo os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta segunda-feira.

No que diz respeito aos serviços, a queda homóloga no volume de negócios foi de 23,2% em junho, depois de ter diminuído 31% no mês precedente. Para esta quebra contribuíram, principalmente, o comércio por grosso, comércio e reparação de veículos e motociclos (que contraiu 15,4%), bem como o alojamento, restauração e similares (que caiu 60,8%), uma das áreas mais prejudicadas pela pandemia.

Volume de negócios nos serviçosINE

Já os negócios na indústria caíram 11,7% em junho, “o que traduz uma recuperação de 19,2 pontos percentuais (p.p.) face ao mês anterior”, sinaliza o INE. Tanto o mercado externo como interno tiveram variações menos negativas que as observadas em maio, sendo que foi no externo que se verificou a melhoria mais intensa, passando de uma quebra de 41,3% em maio para uma diminuição de 15,1% em junho.

O setor da energia registou a diminuição homóloga mais intensa, de 19,0% no sexto mês do ano, pesando no índice de volume de negócios. Seguiram-se os bens intermédios, com uma contração de 11,4%.

Já no que toca aos índices de emprego, de remunerações e de horas trabalhadas ajustado de efeitos de calendário, nos serviços, estes “apresentaram variações homólogas de -8,3%, -9,1% e -17,3%, respetivamente”, aponta o INE. Estes indicadores registaram uma melhoria face ao mês anterior, mas pouco pronunciada.

Na indústria, o emprego, as remunerações e as horas trabalhadas registaram quedas homólogas de 2,9%, 2,7% e 9,5%, o que representa uma desaceleração face a maio, quando as variações foram de -3,5% -6,0% e -21,4%, respetivamente.

(Notícia atualizada pela última vez às 12h15)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Volume de negócios nos serviços e indústria cai mais de 25% com a pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião