Quem foram os 10 futebolistas mais caros nas transferências do futebol?

O topo das transferências mais caras de sempre é liderado por Neymar Jr, num negócio que custou ao Paris Saint-Germain 222 milhões de euros. Na lista constam ainda as contratações de dois portugueses.

Adeptos, bola, relvado e futebolistas: estes são os elementos fundamentais para o normal funcionamento de uns dos mais mediáticos desportos do mundo, o futebol. No entanto, são os atletas desta modalidade que constituem o pilar fundamental do ‘desporto rei’, não só ao nível competitivo mas também económico.

A típica janela de transferências de atletas, que em Portugal acontece no verão, entre o dia 1 de julho a 31 de agosto, e no inverno, de 1 de dezembro a 31 de janeiro, é o segmento do futebol que movimenta mais dinheiro. Todos os anos, os clubes gastam milhões e milhões de euros para adquirirem o “passe” de determinado futebolista. Além disso, o valor médio das transferências tem vindo a aumentar a cada temporada.

Mas quem são os jogadores que levaram os clubes a pagaram os montantes mais elevados na história da ‘indústria da bola’? No topo da lista está a saída de Neymar Jr. para o Paris Saint-Germain (PSG) em 2017, obrigando o emblema parisiense a ter de entregar ao Barcelona… 222 milhões de euros.

No segundo lugar do ranking surge Philipe Coutinho, com o Barcelona a ganhar o protagonismo desta vez. Em 2017, o emblema blaugrana contratou aos ingleses do Liverpool o médio brasileiro, numa operação que custou 145 milhões de euros. A fechar o pódio desta lista aparece o francês Ousmane Dembélé, que na temporada 2017/2018 trocou o Borussia Dortmund pelo Barcelona, num negócio que envolveu 138 milhões de euros.

Contudo, a pergunta feita no início deste texto também pode ser respondida de certa forma na língua de Camões, pois há dois jogadores portugueses na lista das transferências mais caras de sempre: João Félix, que se encontra no quinto lugar dos negócios mais dispendiosos de que há memória, e Cristiano Ronaldo.

Começando pela contratação mais recente, a saída de João Félix do Benfica para o Atlético de Madrid na época passada custou ao clube espanhol nada menos que 126 milhões de euros, o que faz desta a transferência mais cara da história dos ‘colchoneros’ e a quinta do futebol mundial. No caso de Ronaldo, é preciso recuar até 2018, altura em que a Juventus decidiu adquirir ao Real Madrid o passe do atual capitão da Seleção Nacional por uma quantia de 117 milhões de euros, fazendo do atacante madeirense o sétimo jogador mais caro da história.

Confira a lista completa das 10 transferências mais caras da história do futebol:

  1. Neymar Jr. (222 milhões de euros)
  2. Philippe Coutinho (145 milhões de euros)
  3. Ousmane Dembélé (138 milhões de euros)
  4. Kylian Mbappé (135 milhões de euros)
  5. João Félix (126 milhões de euros)
  6. Antoine Griezmann (120 milhões de euros)
  7. Cristiano Ronaldo (117 milhões de euros)
  8. Eden Hazard (115 milhões de euros)
  9. Paul Pogba (105 milhões de euros)
  10. Gareth Bale (101 milhões de euros)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quem foram os 10 futebolistas mais caros nas transferências do futebol?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião