Endividamento da economia atinge os 360,2% do PIB em junho

Após as subidas significativas do endividamento da economia em abril e maio, o valor desceu em junho cerca de 5,2 mil milhões para os 735,4 mil milhões de euros. Contudo, o rácio disparou.

Após dois meses de mais dívida, o endividamento da economia portuguesa (empresas, famílias e Estado) desceu cerca de 5,2 mil milhões de euros em junho, fixando-se nos 735,4 mil milhões de euros, abaixo do recorde fixado em maio acima dos 740 mil milhões de euros, segundo os dados do Banco de Portugal divulgados esta quinta-feira.

No entanto, o endividamento em percentagem do PIB disparou ao aumentar quase 20 pontos percentuais num só trimestre, passando dos 340,8% no primeiro trimestre para os 360,2% do PIB no segundo trimestre. A contribuir para este aumento está não só o maior nível de endividamento em junho face a março (723 mil milhões de euros), mas principalmente a quebra histórica de 16,3% do PIB no segundo trimestre.

Ou seja, apesar de o endividamento do setor não financeiro ter caído em junho, face ao mês anterior, tal foi ofuscado pela queda recorde do PIB. O rácio do endividamento nos 360,2% do PIB é o valor mais elevado desde o segundo trimestre de 2018 (361,06% do PIB).

Rácio do endividamento dispara quase 20 pontos

Fonte: Banco de Portugal.

O máximo deste indicador foi atingido no segundo trimestre de 2013 (426,6% do PIB), tendo vindo a cair desde então com a recuperação da economia e a redução do endividamento dos agentes económicos. Essa trajetória foi agora interrompida com a crise pandémica que obrigou a mais endividamento, nomeadamente através das linhas de crédito com garantia estatal, e a uma queda abrupta da atividade económica e, portanto, do PIB.

Em junho, face a maio, o endividamento público foi o que mais caiu devido a um reembolso de 8 mil milhões de euros em dívida, o que ditou uma queda de cerca de 6 mil milhões de euros no endividamento público, de acordo com os dados do banco central. Nas empresas privadas e nos particulares, a dívida continuou a aumentar, mas mais ligeiramente.

Endividamento baixou ligeiramente após recorde

Fonte: Banco de Portugal.

“No final do primeiro semestre de 2020, o endividamento do setor não financeiro situou-se em 735,4 mil milhões de euros, dos quais 327,5 mil milhões de euros respeitavam ao setor público e 407,9 mil milhões de euros ao setor privado”, refere o Banco de Portugal em comunicado, acrescentando que “relativamente ao final de 2019, o endividamento do setor não financeiro aumentou 16,7 mil milhões de euros”.

“Este aumento deveu-se aos acréscimos de 10,1 mil milhões de euros do endividamento do setor público e de 6,6 mil milhões de euros do endividamento do setor privado”, explica ainda, assinalando que a maior parte do endividamento do setor público foi financiado pelo setor financeiro.

A taxa de variação anual do endividamento das empresas privadas estava nos 3,9% em junho, mais 2,9 pontos percentuais do que no final de 2019. Já a taxa relativa aos particulares baixou 0,3 pontos percentuais para os 0,5%.

(Notícia atualizada às 11h07 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Endividamento da economia atinge os 360,2% do PIB em junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião