Máscaras, muito desinfetante e expectativa de adesão à Feira do Livro de Lisboa

  • Lusa
  • 25 Agosto 2020

Feira do Livro de Lisboa será “uma prova de resiliência do setor” num “ano catastrófico”, avança a organização. Lotação estará limitada a 3.300 pessoas em simultâneo e o uso de máscara é obrigatório.

A Feira do Livro de Lisboa, que começa na quinta-feira, será “uma prova de resiliência do setor” num “ano catastrófico” em contexto de pandemia, afirmou à agência Lusa a organização.

“A feira é uma altura de excelência para tentar recuperar parte daquilo que foi perdido e permitir aos seus leitores e clientes o contacto com o livro. […] Até ao final do ano [o setor] poderá ter uma perda entre os 30 e os 35 milhões de euros. É um valor que não será recuperado. A palavra adequada para isto é catástrofe”, sublinhou Pedro Sobral, vice-presidente da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL), que organiza a feira juntamente com a Câmara Municipal de Lisboa.

Nas vésperas da abertura, o extenso recinto ao ar livre que acolhe a feira do livro, no Parque Eduardo VII, está ainda em modo estaleiro, com pessoas a desempacotar livros, a distribuir novidades editoriais nos escaparates, a colocar iluminação, sinalética e muitos frascos de desinfetante.

De acordo com dados da APEL, este ano estarão presentes 117 participantes em 310 pavilhões, representando 638 editoras, livrarias e chancelas e haverá regras de acesso e de circulação e de manuseamento dos livros.

Pedro Sobral explicou que o uso de máscara é obrigatório para todos e o recinto estará vedado por baias, para que se possa controlar o fluxo de entrada e saída de pessoas.

A lotação estará limitada a 3.300 pessoas em simultâneo, cumprindo as regras de distanciamento impostas pela Direção-Geral da Saúde e aplicando um manual de boas práticas distribuído pela APEL aos participantes, referiu o responsável.

Este ano haverá ainda menos espaços de restauração, o programa cultural associado à feira foi reduzido e acontecerá apenas em auditórios, com inscrição prévia e lotação limitada.

Segundo Pedro Sobral, os visitantes poderão manusear os livros, mas terão sempre de desinfetar as mãos.

“É um espaço muito aberto, a extensão é enorme e basta obedecer às regras e ao senso comum para que não haja aqui nenhum problema. Foi uma adaptação bastante pacífica para nós e para os editores e livreiros”, disse.

Otimista, Pedro Sobral diz que a expectativa é que o número de visitantes este ano “seja muito semelhante ao dos anos anteriores”, que rondou os 475 mil visitantes.

“É o primeiro grande evento pós-confinamento é um espaço aberto, está bom tempo, estamos no final do verão, antes de as crianças irem para as aulas, é uma boa altura para passear, dar uma volta. Veremos se isso se converte em vendas”, disse.

Pedro Sobral recorda a adesão de editores e livreiros à feira do livro para compensar o ano difícil e “a completa ausência de apoio por parte do Governo”.

“Ficámos sozinhos, continuamos sozinhos e a feira do livro é o único evento criado e apoiado pela APEL e é o único apoio que tiveram este ano”, disse.

Atrás do balcão, ainda com muito por desencaixotar, Isabel Manteigas, do Grupo Escolar Editora, contou à agência Lusa que este ano a feira será “um balão de oxigénio”.

“A importância da feira é a máxima. O setor do livro sofreu grandes quebras e estamos todos numa expectativa que a feira corra minimamente bem, será um balão de oxigénio para podermos continuar todos a sobreviver neste ramo”, disse.

Uns metros adiante, ocupando um quarteiro de pavilhões, está o grupo editorial Almedina, com Pedro Franco, responsável de vendas, a admitir à Lusa que há expectativas altas para esta edição.

“O setor do livro atravessa uma fase crítica, trouxemos tudo o que pudemos. Temos alguma expectativa nesta feira, porque para muitos editoras é uma tábua de salvação nesta fase”, sublinhou.

Eduardo Sousa, fundador da Letra Livre, concorda com a realização da feira do livro – adiada da primavera para o final do verão -, mas alerta para o fator “imprevisibilidade”.

“A feira é importante, é bom que se realize, mas é imprevisível, ninguém sabe como é que vai correr. Além disso estamos numa fase de transferência de época, fim de férias, as pessoas têm menos dinheiro, e é o início da escola, vamos ver”, disse à agência Lusa.

A 90.ª Feira do Livro de Lisboa começa na quinta-feira e termina a 13 de setembro.

Este ano voltará a haver a “Hora H”, com descontos mínimos de 50% em livros lançados há mais de 18 meses, funcionando entre segunda e quinta-feira, entre as 21:00 e as 22:00.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Máscaras, muito desinfetante e expectativa de adesão à Feira do Livro de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião