Restaurantes aplaudem adiamento do fim dos descartáveis, mas ambientalistas discordam

  • ECO e Lusa
  • 27 Agosto 2020

A AHRESP insiste no fim de descartáveis em restaurantes em julho de 2021, enquanto a organização ambientalista Zero diz que adiar o fim do plástico descartável na restauração é uma "péssima noticia".

O setor da restauração e similares pode continuar a usar louça de plástico descartável até 31 de março de 2021, uma medida que não é consensual. Enquanto a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) aplaude, a organização ambientalista Zero considerou esta quinta-feira ser uma “péssima notícia” a decisão do Governo.

“É uma péssima notícia, porque passa a mensagem errada. Lamentamos a falta de visão e de capacidade de uma estratégia concreta para um país mais sustentável”, disse à Lusa Susana Fonseca, da direção da associação Zero. Susana Fonseca considerou também que é um mau sinal a decisão do Governo, que acontece “na pior altura possível”, quando o país está a retomar a vida em muitas áreas.

Contrariamente à organização ambientalista, a AHRESP, entende que a entrada em vigor da proibição de usar descartáveis nos restaurantes deveria ser adiada para julho de 2021, depois de o Governo ter prorrogado o prazo até março.

No entanto, “embora se tratem de medidas positivas, a AHRESP entende que a prorrogação deveria ter sido coincidente com a data de produção de efeitos da diretiva comunitária relativa à redução do impacto de determinados produtos de plástico no ambiente, que entra em vigor a partir do dia 03 de julho de 2021”.

No início desta semana, a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) já tinha pedido que a utilização de louça descartável nos restaurantes só fosse proibida a partir de julho do próximo ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Restaurantes aplaudem adiamento do fim dos descartáveis, mas ambientalistas discordam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião