Comissões associadas aos créditos desaparecem a 1 de janeiro

Comissão pelo processamento das prestações, ou a comissão de distrate, vão acabar. Lei já foi publicada em Diário da República, mas só entra em vigor em 2021.

Além da isenção nas transferências automáticas, como as realizadas através do MB Way, os consumidores portugueses vão também deixar de pagar algumas comissões bancárias associadas aos empréstimos contraídos junto das instituições financeiras. Acaba a comissão pelo processamento das prestações, ou a de distrate, mas essa “borla” ainda vai demorar alguns meses a chegar. Lei já foi publicada em Diário da República, mas só entra em vigor em 2021.

O Parlamento aprovou no final de julho a eliminação de algumas comissões tipicamente associadas ao crédito. Nomeadamente, o fim das comissões exigidas pelos bancos pelo processamento das prestações do crédito, mas que só se aplicará nos novos contratos, ficando de fora os já existentes.

Desaparecem também as comissões nos distrates associadas à extinção ou rescisão de contratos e nas renegociações do crédito. E as declarações de dívida para fins sociais — como por exemplo para apresentação em escolas ou creches — também passam a ser gratuitas até a um limite de seis por ano.

Estas “borlas” foram aprovadas pelo PS, Bloco de Esquerda, PCP, PAN, PEV e as duas deputadas não inscritas Joacine Moreira e Cristina Rodrigues, há mais de um mês, mas só agora a lei foi publicada.

Estas normas de proteção do consumidor de serviços financeiros já estão em Diário da República, mas a publicação refere que a presente lei entra em vigor no primeiro dia do mês após o 120.º dia posterior à data da sua publicação”. Ou seja, ainda será preciso esperar alguns meses até que sejam colocadas em prática.

120 dias são quatro meses, o que atira a entrada em vigor para 28 de dezembro, mas como a lei refere que só será aplicada no 1.º dia do mês seguinte, os consumidores só vão poder beneficiar destas isenções a 1 de janeiro, como o ECO já tinha avançado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comissões associadas aos créditos desaparecem a 1 de janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião