Apesar do desconfinamento, consumo de eletricidade na UE ainda está abaixo dos níveis de 2019

Apesar do desconfinamento progressivo, o consumo de eletricidade em junho continuou 7% abaixo dos valores de 2019, de acordo com os dados do Eurostat.

O consumo de eletricidade manteve-se cerca de 11% abaixo do “normal” em abril e maio por causa da pandemia, tendo recuperado ligeiramente em junho com o progressivo desconfinamento, apesar de manter-se 7% aquém do consumo de há um ano. É isso que mostram os dados para o conjunto da União Europeia divulgados pelo Eurostat.

As medidas restritivas para conter a propagação da Covid-19 — como o encerramento de empresas, escolas, restaurantes, bares e hotéis, além do dever cívico de recolhimento — levou a uma redução significativa do consumo de eletricidade em toda a União Europeia, incluindo Portugal, como noticiado na altura.

Esta queda em abril e maio aconteceu na maioria dos Estados-membros, com a média europeia de consumo de eletricidade a cair cerca de 11% face ao mesmo período de 2019. Contudo, houve cinco países onde o consumo nunca chegou a ser mais baixo do que nos anos anteriores: foi o caso da Bulgária, Dinamarca, Estónia, Malta e Suécia, segundo o Eurostat, sendo que em alguns destes países o consumo até aumentou.

E mesmo nos que registaram quedas no consumo de eletricidade há divergências entre Estados-membros. As maiores quedas registaram-se em Espanha e Polónia (-13,7%), seguindo-se a Eslovénia (-13,4%), Croácia (-11.9%), Roménia (-11.8%) e Portugal (-11.6%). No caso de nove Estados-membros, a quebra situou-se entre 5 a 10% e noutros seis entre 1 a 5%.

O destaque do gabinete de estatísticas europeu não refere os dados de junho, mas estes já estão disponíveis para alguns Estados-membros e para o conjunto da União Europeia. De acordo com a análise do ECO, estes dados mostram que a redução do consumo de eletricidade no mês do desconfinamento na Europa atenuou, mostrando agora uma quebra de 7% face ao mesmo mês de 2019. Os dados indiciam que, pelo menos em junho, a retoma da economia ainda foi limitada, observando o indicador do consumo de eletricidade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apesar do desconfinamento, consumo de eletricidade na UE ainda está abaixo dos níveis de 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião