PWiT lança programa virtual de pré-aceleração para mulheres em tecnologia

Chama-se "Future Female Founders" e é um programa de pré-aceleração, exclusivo para mulheres em tecnologia. É uma iniciativa da comunidade Portuguese Women in Tech.

A comunidade Portuguese Women in Tech (PWiT) anunciou a criação de um programa de pré-aceleração exclusivo para mulheres em tecnologia. Chama-se “Future Female Founders“, vai decorrer virtualmente e conta com o apoio da ScaleUp Porto e com uma convocatória aberta.

“Focado em dotar as mulheres do ecossistema tecnológico de ferramentas e conhecimento para a criação das suas próprias empresas e projetos”, o “Future Female Founders” tem como objetivo apoiar mulheres a desenvolverem as suas ideias, desde a fase inicial à criação da sua empresa, explica a PWiT em comunicado.

O programa está dividido em três fases — inspiração, networking e capacitação — e tem abertas candidaturas até 20 de setembro. Decorre depois, ao longo de um mês (com arranque a 10 de outubro e encerramento a 14 de novembro), com 20 horas de formação, 20 horas de mentoria e 20 horas de trabalho em equipa

“Este trabalho passará por explorar temas como: BMC, Lean Startup, Sessões de Pitch, Prototipagem e Beta Testing, Marketing Digital, Vendas, Storytelling, Acesso a investidores. Em paralelo aos momentos formativos, as participantes terão acesso a um grupo de experts composto por fundadoras do ecossistema tecnológico nacional como Carolina Amorim da EMOTAI, Marta Palmeiro da Student Finance, Cristina Fonseca da Indico Capital Partners, Ana Pinto da Reckon.ai entre outras empreendedoras”, explica a PWiT.

Para Inês Santos Silva, cofundadora da Portuguese Women in Tech, este programa “é um primeiro passo para darmos resposta a um problema que está amplamente identificado: o reduzido número de mulheres que criam e lideram empresas, em Portugal. Com uma combinação de networking, inspiração e capacitação, vamos criar as bases para que mais mulheres criem os seus negócios, com uma comunidade forte de apoio”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PWiT lança programa virtual de pré-aceleração para mulheres em tecnologia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião