Católica ajuda mulheres empreendedoras a (re)lançarem os seus negócios

No programa Women Entrepreneurs@Católica Lisbon, professores e alunos capacitam mulheres empreendedoras a lançar ou potenciar os seus negócios, com workshops e projetos e consultoria gratuitos.

A Católica Lisbon School of Business & Economics já abriu as candidaturas para a terceira edição do programa Women Entrepreneurs@Católica Lisbon (WE@Católica-Lisbon), com o objetivo de capacitar as mulheres empreendedoras e as suas empresas com ferramentas de gestão, através de workshops e projetos de consultoria estratégica gratuitos, conduzidos por professores e alunos da universidade. Além disso, a Católica ajuda a “equilibrar” valências, oportunidades de mercado, e a combater desigualdades económicas de género.

Os workshops ficam a cargo de professores de gestão da Católica-Lisbon, que se associam ao projeto voluntariamente, para ajudar as participantes a construir um plano de negócios, uma estratégia de internacionalização, planos de marketing, estratégias de comunicação digital ou lançamento de novos produtos.

Na última edição, o WE@Católica-Lisbon recebeu mais de 300 candidaturas para os workshops e para os projetos de consultoria, e este ano não prevê uma descida na procura, devido ao impacto da pandemia nos negócios.

O propósito é ajudar as participantes a “reorientar o seu negócio, a fazer um produto diferente — que pode não ser tão físico –, mas com aquilo que estão a vender, continuarem a manter a sua própria marca”, explica à Pessoas Rute Xavier, responsável pelo projeto.

A consultoria estratégica vai decorrer durante quatro meses — a duração do semestre letivo entre setembro e dezembro- e é definida pelas necessidades de negócio apresentadas por cada empresa participante. Os projetos de consultoria são conduzidos por alunos finalistas do mestrado em Gestão, que se deslocam às empresas. Esta é uma oportunidade para os alunos “se sentirem úteis”, ao mesmo tempo que têm contacto direto com a realidade do mercado de trabalho, refere a responsável.

As candidaturas ao programa estão abertas até 31 de agosto de 2020 e podem ser feitas aqui.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Católica ajuda mulheres empreendedoras a (re)lançarem os seus negócios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião