De Amália a Florbela. Mulheres portuguesas inspiram produtos de beleza sustentáveis

Catarina Barbosa Skincare vai lançar dois novos produtos em breve. Linha de beleza é uma homenagem a mulheres que marcaram a História do nosso país: fadista, primeira-ministra, médica e poetisa.

Com formação em Engenharia Química e especialização em cosmética natural, Catarina Barbosa, de 28 anos, é uma apaixonada pela área de cosmética. Com o canudo nas mãos e o sonho em mente, a jovem empreendedora decidiu lançar no ano passado a marca Catarina Barbosa Skincare, uma linha de produtos faciais feitos à base de plantas, com propriedades naturais e orgânicas, assentes em produções sustentáveis.

“Em Portugal ainda não existem muitas marcas que utilizem ingredientes de origem natural e sustentável como eu utilizo nos meus produtos. Usamos óleos vegetais orgânicos, procuro sempre os melhores ingredientes em fornecedores oriundos de todo o mundo para a conceção dos produtos”, explica Catarina Barbosa.

Para a fundadora da marca, as pessoas procuram cada vez mais este tipo de produtos. “Existe uma consciência global e até nacional. As pessoas já pesquisam por produtos de origem natural, com esta consciência ambiental inerente”, refere.

É em pleno litoral alentejano — mais concretamente em Vila Nova de Mil Fontes — que são concebidos este produtos naturais. Desde as formulas até ao embalamento, é tudo pensado e agilizado pela empreendedora. Catarina Barbosa destaca que todos os ingredientes usados nos produtos têm uma base científica.

Já os nomes dos diferentes produtos da marca foram baseados em nomes de mulheres que marcaram a história do nosso país: Amália, Maria ou Carolina. “Queremos fazer uma homenagem às grandes mulheres que existiram no nosso país”, explica ao ECO a fundadora da marca. Amália Rodrigues, a fadista com alma portuguesa, Maria de Lourdes Pintasilgo, a única mulher que desempenhou o cargo de primeira-ministra em Portugal, e Carolina Beatriz Ângelo, médica e primeira mulher a voltar no nosso país.

A primeira linha inclui três produtos: óleo facial intensivo (Amália), sérum facial hidratante (Maria) e a máscara detox à base de argilas (Carolina). Amália é o produto com mais saída e ganhou o ano passado um prémio em Inglaterra, o “Beauty Shortlist 2020. Foi a única empresa portuguesa a concorrer a este prémio.

Os produtos estão à venda na loja online e os preços oscilam entre os 50 e 80 euros.

Óleos botânicos, bakuchiol, antioxidantes, vitaminas, extratos de plantas, colagénio vegetal, ceramidas vegetais, prebiótico, ingredientes fermentados, ácidos gordos, são alguns dos tesouros botânicos que pode encontrar nestes produtos orgânicos.

Marca vai lançar dois novos produtos brevemente

A estes três produtos juntam-se mais dois em julho e setembro, um bálsamo à base de óleo e uma máscara em gel que, em contacto com a água, se transforma num creme cremoso. O próximo produto a ser lançado terá o nome de Florbela (Espanca) uma homenagem à poetisa, já o outro nome ainda está a ser decidido, adianta Catarina Barbosa.

Em abril Catarina Barbosa apostou num processo de rebranding a nível de design do produto. “Com a antiga imagem estávamos a vender muito para a República Checa, Alemanha e França, países onde existe um maior consumo deste tipo de produtos naturais, mas agora com a nova imagem temos muito consumidores portugueses e são eles que lideram o top de vendas“, refere com orgulho a fundadora da marca.

Mesmo no meio de uma pandemia, o negócio de Catarina não foi afetado e até apresentou um crescimento de 45% quando comprado com o período homólogo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

De Amália a Florbela. Mulheres portuguesas inspiram produtos de beleza sustentáveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião