Espanha com mais 30.000 desempregados em agosto

  • ECO e Lusa
  • 2 Setembro 2020

São os serviços que lideram na subida do desemprego (um aumento de 0,76%, ou seja, mais 20.216), sobretudo devido às medidas impostas para restringir a mobilidade nos mercados emissores de turistas.

O número de desempregados inscritos nos serviços públicos de emprego em Espanha aumentou em 29.780 pessoas em agosto (0,79%), atingindo um total de 3.802.814, revelou esta quarta-feira o Ministério da Segurança Social espanhol.

Este incremento no número de pessoas sem trabalho é o menor num mês de agosto desde 2016, mas há mais 737.000 desempregados do que há um ano. O Ministério do Trabalho e Economia destacou que este aumento foi “inferior ao registado no mês de agosto dos últimos quatro anos” e que “agosto é tradicionalmente um mês mau para o emprego devido ao fim da temporada turística de verão”. As estatísticas revelam sempre um aumento do desemprego em agosto desde 2001, exceto em 2013.

Evolução mensal do desemprego

Fonte: Ministério do Trabalho espanhol

Os dados revelam ainda que são os serviços que lideram na subida do desemprego (um aumento de 0,76%, ou seja, mais 20.216), sobretudo devido às medidas impostas para restringir a mobilidade nos principais países emissores de turismo para o mercado espanhol.

Por outro lado, o número de pessoas inscritas na Segurança Social no último dia de agosto foi de 18.792.376, o que significa um aumento de 6.822 durante esse mês.

Trata-se do quarto aumento consecutivo do emprego após a crise provocada pela Covid-19 e o primeiro crescimento durante o mês de agosto desde que começou esta série estatística em 2001. O Ministério da Segurança Social atribui o aumento do emprego à melhoria da atividade nos setores da saúde, hotelaria e restauração e salienta que, desde abril, o número médio mensal de membros aumentou em 333.709 pessoas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Espanha com mais 30.000 desempregados em agosto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião