Apelos de Costa catapultam downloads da app da Covid para 400 mil

Dados cedidos ao ECO pelo INESC TEC mostram que os downloads da app mais do que duplicaram de um dia para o outro. Já há mais de 400 mil portugueses a utilizar a Stayaway Covid.

“Essencial, voluntária, confidencial e segura”. É assim que António Costa classifica a aplicação criada para ajudar a rastrear eventuais contactos com pessoas infetadas pelo novo coronavírus. E, desde que foi apresentada oficialmente, o primeiro-ministro tem-se desdobrado em apelos para que os portugueses a descarreguem. Estão a funcionar: já há mais de 400 mil utilizadores.

“É um dever cívico que cada um de nós tem: evitar a transmissão da pandemia. E como é um dever cívico lavar as mãos, entendam também que é um dever cívico descarregar esta aplicação e sinalizarem se vierem a ser diagnosticados como estando positivos”, afirmou Costa na apresentação da Stayaway Covid, a 1 de setembro. Esta quarta-feira, enquanto valorizava as máscaras sociais, voltou a lembrar a importância da app.

Apelos sucessivos que estão a traduzir-se em cada vez mais downloads, a um ritmo mais acelerado. Se no dia em que foi apresentada contava com 120 mil descargas nas lojas da Google e da Apple, no dia seguinte, com o lançamento oficial, chegou aos 170 mil. E agora vai já em 412.330 downloads, de acordo com dados cedidos ao ECO pelo INESC TEC, que desenvolveu a app com o ISPUP, a Keyruptive e a Ubirider.

Houve um disparo no número de downloads da app desta quarta para esta quinta-feira, 3 de setembro. Mais do que duplicaram em ambas as lojas de aplicações: para Android, sistema utilizado pela maioria dos que descarregaram a app, registam-se, às 9h00 desta quinta-feira 277 mil downloads, contra 111 mil no dia anterior. No caso da Apple, as descargas passaram de 58 mil para 134.771.

É expectável que o número de downloads continue a acelerar nos próximos dias, numa altura em que o número de infetados pelo novo coronavírus tanto em Portugal como no resto da Europa, bem como a nível mundial, estão a aumentar de forma expressiva. O recurso à app permite aos seu utilizadores serem informados sobre potenciais contactos com pessoas que venham a ser infetadas e que sinalizem isso mesmo na aplicação.

Apesar da crescente adesão a este sistema de alerta para a Covid-19, nem todos estão a conseguir instalar a app. Primeiro porque muitos portugueses terão a capacidade do smartphone no limite, depois por causa do sistema operativo dos seus equipamentos. No caso dos Android, a app funciona com Android 6.0, ou “Marshmallow”, ou versões superiores, enquanto para os iPhones é preciso o iOS 13.5 ou posterior, enquanto no para os Huawei sem Google Play Store não existe ainda uma app.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apelos de Costa catapultam downloads da app da Covid para 400 mil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião