Semapa Next reconfigura programa de aceleração com Techstars. Pathfinder arranca em Portugal em 2021

Programa de inovação aberta da aceleradora e do braço de startups da Semapa sucede ao programa de aceleração de startups, que deixa de existir. Pathfinder terá duas edições em Portugal em 2021.

A SemapaNext, o braço da Semapa para investimento e acompanhamento de startups, e a Techstars vão deixar de ter o programa de aceleração de startups em Portugal, lançado em 2018, sabe o ECO. Depois de duas edições e de semanas de conversações, a empresa portuguesa e a aceleradora norte-americana decidiram reformular a relação estabelecida em 2018, anunciada com um prazo mínimo de três anos, e avançar com um novo modelo, lançado pela Techstars em junho. O Pathfinder, programa de inovação aberta, será lançado em Portugal já em 2021 e contará com duas edições no próximo ano.

“De maneira nenhuma esta novidade é um retrocesso. Evoluímos a relação com a Techstars”, confirmou fonte oficial da Semapa Next ao ECO. A reconfiguração da parceria com a Techstars surge na sequência de uma reavaliação da atualidade, também decorrente da situação pandémica atual. A aceleradora norte-americana, uma das mais conhecidas do mundo, repensou alguns dos programas de aceleração e adaptou as iniciativas a uma lógica totalmente online.

Lançado em junho pela Techstars, o Pathfinder é um programa de inovação aberta para parceiros da aceleradora de startups que tem como base uma lógica de comunidade com membros. Os membros garantem o acesso à rede de mentores da aceleradora norte-americana, que conta com programas de aceleração em cidades como Austin, Seattle, Berlim, Bangalore ou Chicago. Como explica a Techstars no site oficial, ser membro do “Pathfinder ajuda a navegar o ecossistema empreendedor com a ajuda de especialistas para que se possa encontrar inovação com impacto para os negócios”.

“Segundo a Techstars e, face às condicionantes do seu mercado, fazia mais sentido repensar o modelo e criar um sistema mais online e menos presencial. Quando nos apresentaram este programa, avaliámos a opção conjuntamente e chegámos a um molde para nós”, assinala fonte oficial da Semapa Next.

"Quando nos apresentaram este programa, avaliámos a opção conjuntamente e chegámos a um molde para nós.”

Fonte oficial da Semapa Next

Uma das maiores diferenças entre o programa de aceleração e o Pathfinder é que, no caso do primeiro, existe um investimento à cabeça nas startups que integram o programa. Nas últimas duas edições do programa de aceleração conjunto, a Semapa Next investiu cerca de 2,5 milhões de euros nas 20 startups participantes. Por outro lado, “o Pathfinder é mais curto e focado na procura de soluções para os problemas do vertical escolhido, permite resolver problemas concretos do grupo e procurar startups em que o grupo possa investir, mas também procurar soluções que nos ajudem enquanto empresa”, adianta a mesma fonte.

No plano para o próximo ano está a realização de dois “global business challenges“, ambos planeados para 2021 mas ainda sem data marcada. De acordo com fonte da empresa, os temas “relacionados com a sustentabilidade, que têm marcado muito a agenda do grupo”, podem servir de mote aos desafios de inovação aberta. Além desta iniciativa, a Semana Next quer ainda promover startup weekends, encontros entre mentores e empreendedores que ajudam a desenvolver negócios em tempo recorde e que estimulam a aproximação e a dinamização do ecossistema empreendedor nacional.

Em mensagem enviada aos participantes dos programas de aceleração a que o ECO teve acesso, a Techstars sublinha o “grande sucesso do programa no crescimento das startups e na atração de investimento” na pós-aceleração. “O Pathfinder vai ajudar a Semapa Next a tirar vantagens dos insights, conhecimentos e experiência da rede global da Techstars, e a beneficiar das relações com startups de early e late stage, mentores, investidores e parceiros corporativos. Esta parceria vai continuar a gerar oportunidades para a comunidade local de startups”, assinala a aceleradora.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Semapa Next reconfigura programa de aceleração com Techstars. Pathfinder arranca em Portugal em 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião