Marques Mendes: “Governo não vai inscrever um único euro no OE para o Novo Banco”

Luís Marques Mendes considera a não divulgação da auditoria da Deloitte ao Novo Banco uma "pouca vergonha" e assegura que, no OE, não haverá "um único euro" para o banco liderado por António Ramalho.

O Governo não pretende canalizar “um único euro” do próximo Orçamento do Estado para o Fundo de Resolução do Novo Banco. A garantia foi dada esta noite por Luís Marques Mendes, no seu habitual comentário de domingo, na SIC.

“O fundo de resolução vai ter de se financiar sem ser no OE. O Governo não vai inscrever um único euro no OE com vista ao Novo Banco. Quem é que iria aprovar isso?”, assinalou o comentador.

Sobre a auditoria da Deloitte ao Novo Banco, Luís Marques Mendes refere ainda que a não divulgação do documento é uma manifestação de uma “cultura salarazenta, de enorme opacidade e secretismo. Acho isto uma pouca vergonha”, disse o comentador.

Combate à corrupção

A ministra da Justiça quer que os políticos que foram condenados deixem de poder candidatar-se em novas eleições, disse ainda esta noite Luís Marques Mendes.

De acordo com o comentador, que teve acesso à “Estratégia de combate à corrupção“, plano desenhado pela ministra da Justiça, Francisca Van Dunem propõe, entre outras coisas, que “os políticos condenados não possam ser candidatos a novas eleições”, intenção que Marques Mendes considera uma medida “corajosa e positiva”.

“Este plano pode surgir tardiamente, é muito genérico, mas as orientações essenciais vão numa boa direção”, assinala o comentador. Entre as medidas da estratégia estão ainda o fim dos megaprocessos e o “reforço da penalização das empresas e não apenas das pessoas individuais”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marques Mendes: “Governo não vai inscrever um único euro no OE para o Novo Banco”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião