Governo britânico impõe quarentena a quem regresse de sete ilhas da Grécia

  • Lusa
  • 7 Setembro 2020

A partir de quarta-feira, qualquer pessoa que regresse a Inglaterra das ilhas de Lesvos, Tinos, Serifos, Mykonos, Creta, Santorini e Zakynthos precisará de ficar em isolamento duas semanas.

O Governo britânico tirou sete ilhas gregas da lista de territórios cujos passageiros estão isentos de quarentena na chegada a Inglaterra, decretada devido ao aumento do risco de contrair a covid-19, anunciou hoje.

A partir das 4h00 de quarta-feira, qualquer pessoa que regresse a Inglaterra das ilhas de Lesvos, Tinos, Serifos, Mykonos, Creta, Santorini e Zakynthos precisará de ficar em isolamento durante duas semanas, enquanto que o resto da Grécia mantém-se isento das restrições.

Numa declaração no parlamento, o ministro dos Transportes, Grant Shapps, disse que Inglaterra vai introduzir “corredores de viagens regionais”, o que significa que a medida pode ser aplicada de maneira diferente a ilhas e território continental de um mesmo país caso tenham taxas de infeção divergentes.

“Este desenvolvimento vai ajudar a impulsionar a indústria de viagens do Reino Unido, enquanto continua a manter a proteção máxima à saúde pública, permitindo que a população viaje de forma segura”, acrescentou.

O setor do turismo já tinha urgido o Governo britânico a ser mais flexível na aplicação da quarentena e o País de Gales adotou esta opção na semana passada, ao remover seis ilhas gregas e Portugal continental da lista de países e territórios isentos de quarentena, mas mantendo o resto da Grécia, tal como a Madeira e Açores.

Na semana passada, os governos britânico, do País de Gales, e da Escócia divergiram na sua estratégia, criando confusão sobre quais os países e territórios isentos de quarentena.

Além das ilhas gregas de Mykonos, Zakynthos, Lesvos, Paros e Antiparos e Creta, o governo galês decidiu também aplicar restrições à Polinésia Francesa e Gibraltar, enquanto que a Escócia exige quarentena sobre quem chega de qualquer parte da Grécia e da Polinésia Francesa, mas não sobre Gibraltar.

Já o Governo britânico decidiu na semana passada manter inalterada a lista, mantendo Portugal, Polinésia Francesa ou Gibraltar na lista de países dos ‘corredores de viagem’, isentos de quarentena na chegada a Inglaterra, opção replicada pela Irlanda do Norte.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo britânico impõe quarentena a quem regresse de sete ilhas da Grécia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião