Licenças de construção nova e reabilitação para habitação caem 7,4% até junho

  • Lusa
  • 7 Setembro 2020

As licenças de construção nova e reabilitação de edifícios para habitação caíram 7,4% até junho face ao mesmo período de 2019.

As licenças de construção nova e reabilitação de edifícios para habitação caíram 7,4% até junho face ao mesmo período de 2019, tendo o licenciamento de fogos em construções novas recuado 3,7%, anunciou esta segunda-feira a Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN).

Segundo a Síntese Estatística da Habitação da AICCOPN, que congrega os indicadores avançados de produção no setor, “até junho, foram licenciadas pelas câmaras municipais 7.764 obras de construção nova e reabilitação de edifícios habitacionais, o que corresponde a uma redução de 7,4%, em termos homólogos acumulados”, tendo o número de fogos novos licenciados somado 11.308, um decréscimo de 3,7% em termos homólogos.

Analisando apenas o mês de junho, apura-se um crescimento de 9,4% nas obras em edifícios residenciais e de 4,8% no número de fogos em construções novas, em termos homólogos. No primeiro semestre, o consumo de cimento no mercado nacional cresceu 9,7%, em termos homólogos, totalizando cerca de 1,76 milhões de toneladas.

Quanto ao novo crédito concedido à habitação, registou-se um crescimento de 8,4% para 5.342 milhões de euros desde o início do ano, enquanto o montante total do stock de crédito à habitação aumentou 0,6%, somando 93.447 milhões de euros. Já no stock do crédito concedido às empresas de construção e imobiliário, registou-se uma quebra de 3,8% em termos homólogos, para 16.348 milhões de euros.

Em junho, o valor médio da avaliação bancária na habitação aumentou 8,3% em termos homólogos, fixando-se em 1.115 euros por metro quadrado face aos 1.023 euros por metro quadrado de junho de 2019.

A AICCOPN destaca a região Norte, onde se observou um aumento homólogo de 12,5% nos fogos licenciados em construções novas nos 12 meses terminados em junho de 2020 (para um total de 10.498), dos quais 62% de tipologia T3 ou superior, 22% de tipologia T2 e 14% de tipologia T1 ou inferior. Quanto aos valores de avaliação bancária na habitação nesta região, verificou-se em junho um aumento em termos homólogos de 9,7%, para 982 euros por metro quadrado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Licenças de construção nova e reabilitação para habitação caem 7,4% até junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião