Novo Banco não avisou Fundo de Resolução sobre chumbo a vendas. Banco desmente

  • ECO
  • 8 Setembro 2020

Direção de compliance do Novo Banco terá desaconselhado por duas vezes avançar com as vendas de carteiras de imóveis. Banco desmente. "Não chumbou a operação, muito menos duas vezes".

O Novo Banco não avisou o Fundo de Resolução (FdR) de que foi por duas vezes desaconselhado pela direção de compliance a avançar com as vendas de carteiras de imóveis que envolveram a consultora espanhola Alantra, avança o Público (acesso condicionado). O banco “desmente categoricamente” a informação.

De acordo com a auditoria especial ao Banco Espírito Santo/Novo Banco, esses “chumbos” internos só foram reportados à entidade liderada por Máximo dos Santos quase dois anos depois.

“Ao contrário do que o Público sustenta, a operação teve a aprovação por todos os órgãos do Banco e pelo Fundo de Resolução, não tendo havido qualquer chumbo da operação. O departamento de compliance não chumbou a operação, muito menos duas vezes“, diz o Novo Banco em comunicado após a publicação da notícia.

Relativamente à escolha da Alantra para assessorar estas vendas, o banco liderado por António Ramalho nota que o fez por ser uma “empresa com reconhecida experiência no mercado internacional”.

“O Conselho de Administração Executivo decidiu contratar a Alantra Espanha com expressa proibição de ser envolvida a equipa portuguesa“, diz o banco, explicando que o CEO da empresa portuguesa é um ex-quadro do BES.

Foi “essa divergência na escolha do assessor que o Novo Banco não referiu ao Fundo de Resolução por considerar um detalhe sem especial relevância e que é reportada na auditoria especial”, explica o banco.

(Notícia atualizada às 9h23 com reação do Novo Banco)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco não avisou Fundo de Resolução sobre chumbo a vendas. Banco desmente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião