Multas até 600 mil euros. Espanha e Reino Unido focados na luta contra o vírus

O tempo vai passando e os governos unem esforços para evitar a todo o custo mais contágios. Para além do Reino Unido, também Madrid vai aplicar multas a quem desrespeitar as regras.

Há meses que os esforços se redobram nos vários países para evitar mais casos de infeção, mas há quem tente a todo o custo evitar a propagação do coronavírus. É o caso do Reino Unido e de Espanha (Madrid), que decidiram aplicar multas a quem desrespeitar as regras de segurança e de combate à pandemia. Em território britânico as sanções são mais baixas e arrancam nos 110 euros, mas no país vizinho podem ascender aos 600 mil euros.

Esta quarta-feira, o Governo britânico anunciou em conferência de imprensa um conjunto de medidas para apelar às pessoas para combaterem a pandemia, tanto nos espaços interiores como exteriores. A ideia é implementá-las a partir da próxima segunda-feira, avançou a imprensa britânica, que foi desvendando algumas das principais mudanças.

As exceções serão as escolas, os locais de trabalho ou espaços de desportos de equipa. Tudo o resto terá regras que terão de ser cumpridas. A começar pela proibição de ajuntamentos com mais de seis pessoas, seja em espaços fechados ou abertos, diz a BBC. Em caso de incumprimento, serão aplicadas sanções, para além de os envolvidos serem dispersados pela polícia. As multas arrancam nos 110 euros e vão até aos 3.527 euros.

Precisamos de agir agora para impedir a propagação do vírus. Portanto, estamos a simplificar e a fortalecer as regras de contacto social — tornando-as mais fáceis de entender”, disse o primeiro-ministro Boris Johnson, sublinhando que “é absolutamente essencial que as pessoas sigam estas regras e se lembrem do básico: lavar as mãos, usar máscara, manter distância de outras pessoas e fazer um teste se tiver sintomas”.

Entre as medidas avançadas pelo primeiro-ministro encontra-se também a obrigação dos pubs e restaurantes de obterem os dados de contacto dos clientes para fins de rastreio, sendo que poderão ser multados se não o fizerem, bem como a introdução de “agentes de segurança Covid”, das autoridades locais. Já os planos para ter audiências maiores em estádios e permitir que as conferências continuem a partir de outubro serão suspensos.

Boris Johnson disse que o Governo britânico tem um plano para implementar “testes em massa”, que sejam “simples, rápidos e escaláveis” e que produzam resultados em entre 20 e 90 minutos. “No futuro próximo, esperamos começar a usar testes para identificar pessoas que são negativos, que não têm coronavírus e não são contagiosas, para que possam comporta-se de forma mais normal sabendo que não podem infetar ninguém com o vírus”, afirmou.

Segundo o primeiro-ministro, o objetivo é processar milhões de testes diariamente para permitir às pessoas “fazerem vidas mais normais sem a necessidade de distanciamento social”, por exemplo em teatros e recintos desportivos, que poderão testar os espetadores e deixar entrar aqueles com resultado negativo.

O Governo britânico não indicou até quando estas medidas estarão em vigor, mas adiantou que é pouco provável que possam ser levantadas durante as próximas três semanas. Esta é a primeira vez que são impostas restrições a nível nacional desde que o confinamento decretado em março começou a ser levantado, em maio, e reflete a preocupação do governo com o agravamento da situação epidémica e o receio de uma nova vaga da pandemia Covid-19.

Multas em Madrid vão dos 601 aos 601 mil euros

A decisão espanhola foi tomada e anunciada esta terça-feira. A Comunidade de Madrid vai multar quem não cumprir com as medidas de contenção definidas pelo Governo daquele país para combater o coronavírus. De acordo com o jornal espanhol La Vanguardia, as sanções vão variar entre os 601,01 euros e os 601.012 euros, dependendo da gravidade da infração.

  • É considerada infração leve quando o incumprimento representa um risco de infeção de menos de 15 pessoas. Aqui as multas vão dos 601,01 euros aos 3.005,06 euros;
  • É considerada infração grave quando o incumprimento representa um risco de infeção de entre 16 a 150 pessoas. Aqui as multas vão dos 3.005,07 euros aos 15.025,30 euros;
  • É considerada infração muito grave quando o incumprimento representa um risco de infeção superior a 150 pessoas. Aqui as multas vão dos 15.025,31 aos 601.012,11 euros.

Entre as medidas que os cidadãos em território madrileno têm de cumprir estão o limite de dez pessoas em reuniões privadas ou públicas, a proibição de bailes e bares em casamentos e comunhões, a distância de 1,5 metros entre cadeiras em restaurantes, limite de pessoas nos funerais, casinos, pistas de corridas, parques desportivos, jardins zoológicos e feiras, diz o La Vanguardia.

“Embora tenhamos pedido a sua ajuda e tenhamos tido uma grande adesão, é importante recordar aos cidadãos que o incumprimento das regras pode levar à aplicação de multas“, disse o vice-conselheiro de Saúde Pública e Plano Covid-19, Antonio Zapatero, citado pelo jornal espanhol.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Multas até 600 mil euros. Espanha e Reino Unido focados na luta contra o vírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião