Ministra admite recuar na obrigação de juízes aplicarem dispensa de pena caso arguidos confessem

Francisca Van Dunem diz que "Governo não é uma concha fechada" e admite que a obrigatoriedade de um juiz dispensar pena a um arguido confesso possa ser repensada.

A ministra da Justiça admite que está aberta a diálogo e que o Governo não é uma “concha fechada” no que toca ao plano estratégico contra a corrupçãoaprovado em Conselho de Ministros há uma semana. Questionada, em entrevista ao ECO, sobre uma das medidas que o setor já apelidou de “inconstitucional”, a Francisca Van Dunen garante que o documento ainda vai a consulta pública e que o setor pode contribuir. E que este pacote “ainda não esta fechado”.

E que medida é esta? A norma em causa prevê que no caso em que um arguido vá, por iniciativa própria, às autoridades denunciar o crime ou retratar-se (mostrar arrependimento), há uma obrigatoriedade de que o juiz (na fase de julgamento) dispense ou suspenda a pena de prisão.

Na altura que o pacote foi aprovado em Conselho de Ministros, logo as vozes representativas da magistratura judicial acusaram esta medida de inconstitucional, já que a CRP exige que os juízes sejam independentes e decidam caso a caso, sem obedecer a regras ou diretivas.

“No meu ponto de vista, esta medida não é inconstitucional mas… pronto, é legítimo que essa questão seja colocada”, explica a ministra, em entrevista ao ECO.

Mas admite: “Este e é um documento aberto. Queremos que seja o mais debatido possível. Porque, obviamente, podemos de facto fazer mais à frente alterações. Mas este é o momento em que as pessoas que são da área são convidadas a dar a sua opinião para podermos construir um documento melhor. O Governo não tem opções fechadas e não está fechado na sua concha”.

A Ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, em entrevista ao ECO/Advocatus - 08SET20

Com esta regra, o Governo retira a condição de que a denúncia tenha de ser feita no período de 30 dias e retira a incerteza sobre a aplicação da dispensa da pena. Já que o juiz, verificados estes pressupostos — confissão integral da pena — passa a ser obrigado. Segundo o Ministério da Justiça, não é uma novidade face ao regime atual, mas sim “um aprofundamento”.

Manuel Ramos Soares, presidente da Associação Sindical de Juízes Portugueses, garante que esta norma é inconstitucional e exemplifica: um arguido que, apesar de ter arquitetado um grande esquema de corrupção, não é punido porque denuncia apenas o elo mais fraco desse esquema. “Se a nova lei que o Governo quer fazer aprovar não der margem de manobra suficiente ao juiz para apreciar e decidir cada caso concreto será inconstitucional. “Sem revisão constitucional não estou a ver como possa ser possível”, acrescenta Manuel Ramos Soares.

Outra das prioridades apresentadas pela ministra Francisca Van Dunem é a área da contratação pública. “Uma das áreas em que se justificam alterações ao quadro legal, para tornar os procedimentos mais transparentes e assim reduzir os contextos facilitadores da corrupção”, explica o documento, disponível para consulta pública desde segunda-feira.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministra admite recuar na obrigação de juízes aplicarem dispensa de pena caso arguidos confessem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião