Ramalho admite “pequenas desconformidades” e não exclui nova injeção no Novo Banco

  • ECO
  • 12 Setembro 2020

O presidente executivo do Novo Banco admite em entrevista que houve "pequenas desconformidades" identificadas pela auditoria da Deloitte, mas assegura que vendeu os ativos ao preço de mercado.

António Ramalho admitiu este sábado, em entrevista à TSF, que há conclusões da auditoria da Deloitte que refletem “pequenas desconformidades”, mas que estas são “desconformidades acessórias e operacionais” que se verificam em todos os mandatos. Numa altura em que já foi noticiado que o Governo poderá não prever nenhuma injeção no Novo Banco no Orçamento do Estado para 2021, o presidente do Novo Banco diz não coloca de parte nenhum cenário, argumentando, no entanto, que é “mais útil” financiar o Novo Banco “para que ele fique bom”.

Quanto aos beneficiários últimos e efetivos das vendas, Ramalho recorda que “a Lone Star já veio dizer que não compra rigorosamente ativos nenhuns do Novo Banco porque está proibido por contrato“. O CEO do banco assegura que o Fundo de Resolução conhece os beneficiários últimos das operações e que enviará essa informação para o ministro das Finanças, mas não poderá divulgado por obrigações de sigilo.

Relativamente à venda dos ativos, nomeadamente imóveis, o presidente executivo do Novo Banco rejeita a ideia de que houve um “grande desconto”, garantindo que foram vendidos ao “preço de mercado”. “Toda a gente diz ‘foi vendida com um grande desconto’. Não! Foi vendido ao preço de mercado. Nós fazemos estas vendas porque somos obrigados a fazer estas vendas. A lei bancária não nos permite deter mais de dois anos os imóveis que não são afetos à exploração. Portanto temos que os vender”, explicou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ramalho admite “pequenas desconformidades” e não exclui nova injeção no Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião