Consolidação na banca espanhola continua. Sabadell estuda fusão com Abanca ou BBVA

  • ECO
  • 14 Setembro 2020

Após o anúncio do negócio entre CaixaBank e Bankia, há mais uma fusão na mira do setor bancário espanhol. O Sabadell, instituição sediada em Alicante, estará a estudar fundir-se com o Abanca.

Depois do anúncio da fusão do banco catalão CaixaBank (dono do BPI) e o Bankia na semana passada, há mais uma fusão na mira do setor bancário espanhol. O banco Sabadell estará a estudar fundir-se com o Abanca ou o BBVA, avança o jornal ABC (acesso pago, conteúdo em espanhol).

O banco sediado em Alicante estará a explorar opções estratégicas. O Sabadell tem estado a trabalhar com a assessoria do Goldman Sachs, nos últimos meses, sendo que há várias opções em cima da mesa, incluindo fusões, aquisições ou vendas de ativos, revela o mesmo jornal espanhol.

O banco espanhol estará à procura de novos parceiros, sendo que, nos últimos dias, também o BBVA surgiu como eventual parceiro do Sabadell, conforme noticiou o El Economista (acesso livre, conteúdo em espanhol). Agora o Abanca, que desistiu de comprar o Eurobic, também estará na mira para uma eventual fusão.

No início de setembro, o governador do Banco de Espanha defendeu que há margem para mais consolidações no setor bancário espanhol, sem correr o risco de se incorrer numa situação de oligopólio. “O nível de concorrência é elevado porque surgiram concorrentes, alguns de fora do perímetro bancário“, disse, Pablo o Hernández de Cós, citado pelo Expansión.

Também o Banco Central Europeu (BCE) já tinha sugerido que uma das formas do sistema financeiro preparar-se para a crise decorrente da Covid-19 passava por fusões. A eventual junção das atividades poderá ajudar as instituições financeiras a reduzirem custos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Consolidação na banca espanhola continua. Sabadell estuda fusão com Abanca ou BBVA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião