Swatch lança coleção de relógios feitos com materiais de origem biológica

Marca suíça acaba de criar uma coleção de relógios construídos a partir de materiais provenientes da natureza e de origem biológica. Os modelos são alusivos aos primeiros modelos da Swatch de 1983.

A Swatch, marca de relojoaria suíça, quer ser mais sustentável e a prova está na sua última inovação: uma coleção de relógios construídos a partir de materiais provenientes da natureza. Esta nova coleção é composta por seis modelos alusivos aos primeiros modelos Swatch de 1983.

Uma nova coleção que segundo a empresa promete assinalar um novo marco na indústria: “Swatch: fundada em 1983, reinventada em 2020!“. “A inovação sempre foi a força motriz que definiu a personalidade da Swatch. A coleção “1983” continua esta tradição com novos materiais extraídos das sementes da planta mamona, sendo que todos os componentes correspondem naturalmente aos mais elevados padrões de qualidade Swiss Made, que a Swatch apresenta em todos os seus produtos”, explica a empresa em comunicado.

De acordo com a Swatch, este lançamento assinala a primeira vez que uma marca relojoeira consegue, substituir todos os materiais convencionais por materiais extraídos das sementes da planta mamona, num ambiente de produção em série.

Para além da coleção de relógios, a nova embalagem também é ecofriendly tendo em conta que é produzida em espuma de papel totalmente biodegradável. O material consiste numa inovadora mistura de amido de batata e mandioca. A embalagem é produzida através de um processo de moldagem por injeção e que pode ser reciclada juntamente com resíduos de papel, ou até mesmo por compostagem em casa.

Os novos modelos Swatch 1983 estão disponíveis na loja Swatch online e nas lojas físicas da marca a partir de 65 euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Swatch lança coleção de relógios feitos com materiais de origem biológica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião